Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Dia Mundial do Livro

23.04.19, Olga Cardoso Pinto

dia mundial do livro (2).jpg

 

"A leitura de um bom livro é um diálogo incessante: o livro fala e a alma responde."

André Maurois

 

Origem da palavra livro

O termo livro deriva do latim liber, a camada fina entre a casca e o tronco da árvore, que depois de extraída dá origem ao papel. As línguas originárias do latim tomam este termo sendo semelhante em espanhol e italiano - libro, e em francês - livre. O mais curioso é que também nas línguas germânicas o nome provém de uma árvore - bokis = book, em cuja camada, igualmente retirada do tronco, se escreviam as runas, a mais antiga escrita nórdica.

 

Dia Mundial da Terra

22.04.19, Olga Cardoso Pinto

iss059e006519.jpg

 

Ó Minha Terra,

Ó Meu Lar

Eu Te habito, em Ti vivo

Todos os Seres em Ti e de Ti vivem

Qual Família

Como posso eu desonrar a minha Família, o meu Lar e o meu Ser?

Sou da Terra, meu planeta

Quanta ignorância e afronta sofres Tu

Todos os seres sencientes Te honram, compreendem

Menos Eu ser inteligente, insensível e usurpador

Quantos em Ti morrem, extinguem-se pela minha mão

Ó Minha Terra

Ó Meu Lar

Insignificante sou Eu que não Te respeito

Não Te vejo em todo o teu esplendor

Majestoso em beleza e Vida!

 

Imagem: Nasa

The Soyuz MS-12 spacecraft is pictured docked to the International Space Station's Rassvet module as the orbital complex flew 256 miles above the Aegean Sea.

Encontros na Comunidade de Leitores

17.04.19, Olga Cardoso Pinto

comunidade_antonio tavares3.JPG

 

O Encontro com o escritor António Tavares e a Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal da Maia realizou-se este sábado, dia treze de abril.

Nesta sessão tivemos um convidado muito especial: O Clube de Leitura Aroma de Livros, de Lisboa, que segundo os seus membros, é um grupo de amigos que gosta de se reunir para ler em conjunto e partilhar ideias.

António Tavares é autor de “As Palavras que me deverão Guiar um dia” com o qual foi finalista do Prémio Leya e foi vencedor do Prémio Literário Fernando Namora, venceu o Prémio Leya em 2015 com “O Coro dos Defuntos”. “Todos os dias morrem Deuses”é a obra publicada em 2017, o seu último livro “Homens de Pó” foi lido pela comunidade de leitores recentemente.

Este encontro foi um explanar de ideias tanto do escritor como dos leitores, sobre o romance “Homens de Pó”, quase minuciosamente analisado sob uma lupa apaixonada pelas leituras e temas que nos dizem tanto como a descolonização, a resiliência, o recomeço, a revolução de abril e as transformações que fazem os povos avançar.

Como é costume, a sessão terminou com o bolo alusivo ao livro de António Tavares e o brinde ao autor e a todos os presentes que fizeram de uma tarde chuvosa momentos agradáveis de partilha e amizade!

comunidade_antonio tavares1.jpg

comunidade_antonio tavares2.jpg

 

Homenagem a Maria Alberta Menéres

16.04.19, Olga Cardoso Pinto

lago (3).JPG

 

Quando alguém se sente triste

e com vontade de chorar

por não saber de ninguém

que queira vir conversar,

eu apareço, eu apareço

e digo como há de sonhar.

 

Quando alguém sente a sua vida

bem mais pesada que leve,

só porque julga que já teve

mais forças para suportar

eu apareço, eu apareço

e digo como há de sonhar.

 

À Beira do Lago dos Encantos de Maria Alberta Menéres

Lançamento do livro de poesia " Momentos" de Pedro Miguel Costa

15.04.19, Olga Cardoso Pinto

momentos_pedro miguel costa.jpg

 

Na noite de sexta-feira, 12 de abril, Pedro Miguel Costa lançou o seu segundo livro de poesia “Momentos”, no salão nobre da junta de freguesia da Cidade da Maia.

A poesia do Pedro é, segundo ele, um ato de observação sobre o mundo que o rodeia. Para mim, ao ler os seus poemas, vejo a realidade segundo os seus olhos, a descrição de vários estados de alma de um jovem que nos aponta com sensibilidade um quotidiano ou uma vivência repleta de experiências, alegrias, devaneios, tristezas e resiliência.

Saliento os poemas “Chama terapêutica” onde o autor partilha o que sente quando escreve poesia, e “Infância” poema sobre a inocência, a ingenuidade e a imaginação, no querer controlar as coisas incontroláveis, entre outros.

Parabéns Pedro pela tua arte tão bonita, pela tua poesia que partilhas connosco!

Podem encontrar o livro do Pedro aqui, boas leituras!