Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Particularidades

28.05.24, Olga Cardoso Pinto

IMG_1438.jpg

6 Particularidades de uma rapariga citadina quando anda pelo campo:

Caminhar por caminhos e veredas escondidos

Fotografar tudo o que é verde

Encantar-se com a beleza singela da ruralidade

Parar ínúmeras vezes para contemplar

Falar com a bicharada que vai encontrando

Esquecer-se das horas

 

Já vos aconteceu?

 

Desfiando desafios

22.05.24, Olga Cardoso Pinto

IMG_1448.jpg

 

 

Um livro, muitas estórias e uma capa.

Este é o último livro do nosso querido amigo José da Xã a quem agradeço por, mais uma vez, ter confiado na minha criatividade para criar a roupagem envolvente dos seus contos maravilhosos. O título bem sugestivo - De(s)afiando Contos - traz-nos uma compilação de textos de excelente enredo, humor e humanidade em estórias rurais, quase tiradas a papel químico daquelas que muitos de nós conhecemos e até herdamos. Mas este é o jeito do José, que já nos habituou a este desfiar em jeito de desafio para momentos de escrita e leitura.

Obrigada, caro amigo!

 

 

Fotos do meu álbum

20.05.24, Olga Cardoso Pinto

82E7EDE2-2F0D-4330-8AAC-16B7C0B9BA88.jpeg

 

Encontrei estas beldades no caminho. A beleza e a simplicidade a saudar-nos numa bela tarde de primavera. Prova que a natureza acolhe-nos e traz a felicidade e a gratidão por podermos desfrutá-la em todas as estações, mas na primavera é todo um hino à alegria em ramalhetes de flores e trinados melodiosos que nos enchem o coração. Quem precisa de arranjos florais, bem acomodados em celofane e longos laços quando, ali mesmo em pleno campo, a natureza nos oferece a visão da mais perfeita e singular combinação de pureza e formosura?

 

 

À Janela

13.05.24, Olga Cardoso Pinto

IMG_0471.jpg

 

 

Por trás daquela janela há algo que não se quer revelar, há segredos escondidos dos olhares. Bem no alto, a janela permite ver o exterior, mas o interior fica ocultado, nada transparece, apenas o ondular do tecido que permeia o vidro. De vez em quando, lá se abre para deixar entrar o ar e a luz sem ser coada pelo linho da cortina, ainda atento para ver se te miro...pobre de um jardineiro que da beleza cuida, porém, a mais bela flor recata-se e eu encantado estou.

O jardim ganha as mais lindas flores, tratadas pelas minhas mãos e pelo meu carinho. Junto à tua janela, cheia de segredos e ocultação, crescem as heras, incansáveis trepadeiras que mimo para irem lá ao alto espreitarem. Acalento a loucura de elas terem olhos e verem-te por mim. Sonho acordado pela manhã ou pela tarde, que assomes à janela e me faças adeus e sorrias. Enquanto sonho, vou acarinhando as heras. Quando um belo dia te fores debruçar, talvez elas tocarão o teu belo rosto e, neste jeito inocente, à janela beijar-te-ão por mim.

 

 

Navegar

09.05.24, Olga Cardoso Pinto

IMG_9438.JPG

 

 

Construí um barco que me levaria num caminho líquido,

Deslumbrante, estável e seguro

Ninguém me disse que a viagem seria calma,

Pois o mar nem sempre é assim

Embarquei crente que a maré me levaria num embalo,

Porém a tormenta sempre espreita

Sopravam ventos favoráveis e o sol refletia um desejo

Viajava feliz e incauta no espelho das águas 

Ribombou no céu a tormenta levando-me para longe

Fiquei perdida em alto-mar, sem rumo nem guia

E surgiste tu salvando-me da vaga, da profundidade da água

Envolveste-me num abraço como um salva-vidas

Resgatando-me para o alto, navegando pelos céus do mundo

Num balão soprado pelos ventos, acima das nuvens

Onde juntos vemos o mar, as marés e os astros que se acendem pela noitinha...

 

 

Caminhar pela Natureza

02.05.24, Olga Cardoso Pinto


🌸

Uma caminhada pelo campo, em comunhão plena com a Natureza, permite-me encontrar tantas flores, das quais, na sua maioria, não sei o nome. Apesar da minha ignorância, deleito-me ao fotografá-las, contemplando a sua inegável beleza e singularidade. Estão ali, à beira dos caminhos embelezando-os, atapetando muros e pedras, numa vida breve como alimento e propagação da espécie, e eu alimento o espírito e a minha felicidade por encontrá-las.


🌸