Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Recomeço

Feliz Citação

03.02.22, Olga Cardoso Pinto
  "Tudo tem seu apogeu e seu declínio... É natural que seja assim, todavia, quando tudo parece convergir para o que supomos o nada, eis que a vida ressurge, triunfante e bela! Novas folhas, novas flores, na infinita benção do recomeço!" Chico Xavier      

O fluir das estações

31.01.22, Olga Cardoso Pinto
Na alternância das estações vejo o fluir da vida. Sendo que não são iguais, cada uma tem um sentido diferente, com características únicas. Não há estações mais belas que outras, cada uma tem uma beleza particular, uma personalidade própria. O Verão é cheio de energia, cor, entusiasmo, despontam vontades de evasão e liberdade. O Outono é introspeção, de suspensão e pausa, de cores quentes e vontade de refúgio. O Inverno é aconchego, de contemplação, de pausa já a (...)

No Inverno...

19.01.22, Olga Cardoso Pinto
Pisco-de-peito-ruivo: o trovador viajante do Inverno. Adorável ave! Singela no tamanho, mas de imensa beleza no porte e no canto. Anuncia dias frios pelos jardins, campos e cidade, trauteando a melodia que alegra quem o escuta. É o mensageiro de boas-novas. Tenta encontrá-lo, ele anda perto de ti.    

Poetizar a fotografia

04.01.22, Olga Cardoso Pinto
Vai alto pela folhagem Um rumor de pertencer, Como se houvesse na aragem Uma razão de querer. Mas, sim, é como se o som Do vento no arvoredo Tivesse um intuito, ou bom Ou mau, mas feito em segredo, E que, pensando no abismo Onde os ventos são ninguém, Subisse até onde cismo, E, alto, alado, num vaivém De tormenta comovesse As árvores agitadas Até que delas me viesse Este mau conto de fadas.   Poesia ortónima de Fernando Pessoa, poesia lírica, 5-9-1933.    

Fotos do meu álbum

Árvores frutíferas

07.12.21, Olga Cardoso Pinto
Um souto banhado pelo sol matinal As castanhas que nos deliciam por esta altura do ano, são o fruto de imensos soutos lindos como este. Pródigas árvores que nos dão tantas coisas boas. Esta fotografia foi tirada aquando da Caminhada Ambiental promovida pelo Município de Vila Verde, pela comemoração da semana da Floresta Autóctone, realizada a 27/11/2021.     Para ouvir, Ludovico Einaudi - Una Mattina, com Mercan Dede.      

Fotos do meu álbum

Paleta de Outono

26.11.21, Olga Cardoso Pinto
O Outono veste toda a Natureza de uma belíssima paleta de cores, texturas e memórias. O nosso País tem locais belos onde nos podemos "perder", inspirar e reencontrar.   Fotos: Pitões das Júnias, Parque Nacional Peneda-Gerês, região de Barroso.  

Plantar Árvores, Plantar o Futuro

22.11.21, Olga Cardoso Pinto
Ontem, dia 21/11, comemorou-se antecipadamente o Dia da Floresta Autóctone que será dia 23/11, terça-feira. Como não poderia deixar passar este dia especial sem uma ação pela nossa Natureza, eu e o Jorge juntámo-nos à Associação Plantar Uma Árvore para uma Saída de Campo na Mata Nacional do Bussaco, no Pinhal do Marquês. À força de braços e amor pelas árvores, fomos dezasseis (...)

Fotos do meu álbum

Terras de Bouro

16.11.21, Olga Cardoso Pinto
Como não ficar indiferente a uma paisagem que nos avassala, que nos tira o fôlego...abarcamos com os olhos do rosto e da alma toda a beleza que nos é oferecida, sem preço, depois cada um faz com ela o que quiser, uma memória, uma fotografia ou uma inspiração. Perdem-se os sentidos de urgência, do fazer, para a contemplar assim tão queda e volátil num sol de outono. As serras recortadas, e de aspeto etéreo com a leveza da neblina que as enfeitou pela madrugada. A erva fresca que (...)

Nada mais que um sopro

08.11.21, Olga Cardoso Pinto
“Quando a tua partida for causada pelos teus atos, pela ignorância, ganância e desprezo Quando as pedras por ti erguidas se desmoronarem e nada mais do que musgo e heras as adornarem Quando se extinguir o ruído da tua evolução Quando tudo ficará no silêncio da inexistência... Eu voltarei Nem que seja pelo suave sopro do vento, no esporo levado até ser vida Pela água que voltará a brotar cristalina do interior da Terra Pelo mais pequeno ser, pela erva que fresca germinará, (...)