Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Dia da Criança

01.06.20, Olga Cardoso Pinto
Leilão de Jardim Quem me compra um jardim com flores? borboletas de muitas cores, lavadeiras e passarinhos, ovos verdes e azuis nos ninhos? Quem me compra este caracol? Quem me compra um raio de sol? Um lagarto entre o muro e a hera, uma estátua da Primavera? Quem me compra este formigueiro? E este sapo, que é jardineiro? E a cigarra e a sua canção? E o grilinho dentro do chão? (Este é meu leilão!)   Cecília Meireles  

Dia da Espiga

21.05.20, Olga Cardoso Pinto
O Dia da Espiga celebra-se a 21 de maio. É uma tradição antiquíssima de origem pagã, originária dos povos lusitanos, descendentes da cultura celta, que cultuavam os deuses, pedindo-lhes proteção neste caso para as primeiras colheitas. Este dia marcava o início de um novo ciclo, a primavera, que era celebrado com danças, cantares e repouso, desde o nascer até ao final do dia. A tradição manteve-se na cultura portuguesa, sendo assimilada pelo cristianismo passando a celebrar-se (...)

Bologna Children’s Book Fair 2020

04.05.20, Olga Cardoso Pinto
A Feira de Bolonha do Livro Infantil (Bologna Children’s Book Fair) este ano decorre virtualmente devido às condicionantes que a pandemia da covid-19 impõe. No entanto nada do seu espírito e objetivos saem beliscados, penso eu, até ficou mais rica possibilitando a participação de imensos ilustradores a nível mundial na Illustrators Virtual Wall. A minha participação (com o pseudónimo de Chela (...)

Ilustrando sentimentos

Evasões virtuais

30.04.20, Olga Cardoso Pinto
Como as nossas atividades, neste tempo de confinamento, se tornaram essencialmente virtuais, vou dar uma caminhada por este bosque virtualmente criado para um conto da minha autoria. Já volto... querem vir?  «Já sinto o odor da floresta, o perfume da Natureza. O trinar das aves ondula pelos meus ouvidos. A brisa fresca revolve as tenras folhas dos carvalhos e prende-se à madeixa dos meus cabelos, zombando da minha admiração pelo cenário que me cativa. O cantarolar da água (...)

Quando tudo isto acabar...

29.04.20, Olga Cardoso Pinto
Quando tudo isto acabar Vou beber um café Passear ao luar Fazer uma soirée Fazer poemas sem jeito Fazer o pino e até cantar Vou abrir o meu peito Escrever um livro a sonhar Desfiar uma história Letras bonitas oferecer Vou pintar uma memória Ilustrar um prazer Abrir a janela e sorrir Fazer o futuro brotar Dar-te a mão e sair Quando tudo isto acabar.