Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Caminhar na Natureza: terapia e inspiração

26.11.19, Olga Cardoso Pinto
Como coloquei no título caminhar na Natureza é uma terapia, também uma cura, uma libertação para poder serenar, fazer reset e inspirar-me.  Somos muitos os que apreciam estas caminhadas longe dos ruídos, dos fumos e confusões das cidades, é o voltar à essência e ao primordial que ainda existe em cada um de nós. A floresta tem benefícios que esquecemos, no entanto já vão sendo cada vez mais os que se aventuram nesta magnífica experiência. Para que esta experiência seja (...)

Paisagens de tirar o fôlego

20.11.19, Olga Cardoso Pinto
Renovo-me ao caminhar em plena Natureza, emergir nos seus odores, cores e sensações. No silêncio das palavras e sob o burburinho das aves, do vento na folhagem e no estalar dos passos pelo caminho, eu me entrego, descubro novos sentimentos, quiça adormecidos. Deixo-me envolver por esses fios que nos unem, num eterno abraço mudo onde só bate um coração. Os sons naturais e melodiosos, os cheiros a terra e vegetação, as cores e luzes deslumbrantes trazem-me a serenidade e a inspiração. (...)

Outonando

12.11.19, Olga Cardoso Pinto
Buscando inspiração nas Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d'Arcos, em Ponte de Lima. Caminhar em boa companhia e desfrutar da magnífica Natureza do nosso Minho, que gentilmente nos oferece todos os ingredientes para uma inspiração, seja uma pintura, um poema ou um conto. Se gostarem de caminhar e de sentirem-se imersos em plena Natureza, não deixem de visitar este magnífico local. Mais informações aqui.  

Ponto a Ponto se une um Conto

O Outro Lado do Rio - 2º capítulo

07.11.19, Olga Cardoso Pinto
Olá! Hoje é quinta-feira e dia de leitura de mais um episódio do conto O Outro Lado do Rio. O dia convida à leitura acompanhada de uma bebida quente, aproveitando a pausa seja do trabalho, das aulas ou de outras tarefas que nos aguardam diariamente. Esta é uma narrativa enquadrada num ambiente rural onde as histórias passavam sabedorias, fazeres e tradições ao longo de gerações. Obrigada a todos que engrandecem este cordão de leitores que se vai formando em torno destes contos. U (...)

Quando eu morrer quero ser Árvore

04.07.19, Olga Cardoso Pinto
Quando eu morrer quero ser Árvore Quero ser seiva a correr pelas minhas entranhas em direção ao coração do mundo Quero ser vida a ascender aos céus implorando-lhes que me vejam, que me sintam   Quando eu morrer quero ser Árvore Eterna De tronco forte erguendo-me e estendendo meus braços para que neles poisem as aves, façam os ninhos e cantem melodiosamente Para que as chuvas me inundem, dando-me de beber, lavando as minhas folhas e todo o meu ser Para que de mim nasçam os (...)