Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Sentimentos em Poesia

09.06.20, Olga Cardoso Pinto
Respeito=Humanidade   A poalha dos dias traz uma letargia dormente Nesta cidade sem vida, tão vazia de gente Desse respeito ausente e de tão pouca igualdade Chamam-nos de Ser Inteligente Mas de tão parca Humanidade Que seja um só sentir, uma só emoção De uma Liberdade sem Preconceito Batendo com Respeito Feito Uno o Coração.  

Dia da Criança

01.06.20, Olga Cardoso Pinto
Leilão de Jardim Quem me compra um jardim com flores? borboletas de muitas cores, lavadeiras e passarinhos, ovos verdes e azuis nos ninhos? Quem me compra este caracol? Quem me compra um raio de sol? Um lagarto entre o muro e a hera, uma estátua da Primavera? Quem me compra este formigueiro? E este sapo, que é jardineiro? E a cigarra e a sua canção? E o grilinho dentro do chão? (Este é meu leilão!)   Cecília Meireles  

Quando tudo isto acabar...

29.04.20, Olga Cardoso Pinto
Quando tudo isto acabar Vou beber um café Passear ao luar Fazer uma soirée Fazer poemas sem jeito Fazer o pino e até cantar Vou abrir o meu peito Escrever um livro a sonhar Desfiar uma história Letras bonitas oferecer Vou pintar uma memória Ilustrar um prazer Abrir a janela e sorrir Fazer o futuro brotar Dar-te a mão e sair Quando tudo isto acabar.  

Poesia de Primavera

28.04.20, Olga Cardoso Pinto
Porque é Primavera e há vida a correr lá fora   Sei um Ninho de Miguel Torga Sei um ninho. E o ninho tem um ovo. E o ovo, redondinho, Tem lá dentro um passarinho Novo. Mas escusam de me atentar: Nem o tiro, nem o ensino. Quero ser um bom menino E guardar Este segredo comigo. E ter depois um amigo Que faça o pino A voar...

Pomba da Liberdade

25.04.20, Olga Cardoso Pinto
Passaste pela alta janela, nesse voo rasante Quis ir contigo no teu destino e mais adiante Deixei voar contigo o meu esperançoso pensamento Ansiando por novos dias luminosos e por novo alento Ir livremente e sem amarras contigo viajar Ver-te em cada nascer do sol, na alvorada a despontar Esperança, fé e alegria serão sempre o meu sentir Por ti Liberdade, em abril e sempre no tempo a sobrevir.   A convite da amiga MJP do blog Liberdade aos 42 (...)

Bem-vinda Primavera!

20.03.20, Olga Cardoso Pinto
JARDIM PERDIDO Jardim em flor, jardim de impossessão, Transbordante de imagens mas informe, Em ti se dissolveu o mundo enorme, Carregado de amor e solidão. A verdura das arvores ardia, O vermelho das rosas transbordava Alucinado cada ser subia Num tumulto em que tudo germinava. A luz trazia em si a agitação De paraísos, deuses e de infernos, E os instantes em ti eram eternos De possibilidades e suspensão. Mas cada gesto em ti se quebrou, denso Dum gesto mais profundo em si contido, Poi (...)

Dia do Pai

Poema ao meu Companheiro

19.03.20, Olga Cardoso Pinto
És a seiva que corre nesta árvore onde se fortaleceram os frutos, das flores desabrochadas em tempo de Primavera És o sangue, força, tempestade e doçura Minha e sempre querida Quimera És a raiz que me prende, que me entrelaça e segura, num tempo por vezes incerto, umas vezes feliz e quente outras de aconchegante ternura És de família, legítimo e espiritual Homem, criador e educador Amoroso, sincero e temperamental PAI por vontade e por AMOR!   Obrigada por seres o Pai dos (...)

Dia Internacional da Mulher

08.03.20, Olga Cardoso Pinto
Mulher A mulher não é só casa mulher-loiça, mulher-cama ela é também mulher-asa, mulher-força, mulher-chama E é preciso dizer dessa antiga condição a mulher soube trazer a cabeça e o coração Trouxe a fábrica ao seu lar e ordenado à cozinha e impôs a trabalhar a razão que sempre tinha Trabalho não só de parto mas também de construção para um filho crescer farto para um filho crescer são A posse vai-se acabar no tempo da liberdade o que importa é saber estar juntos (...)

Deixar ir

26.02.20, Olga Cardoso Pinto
Num momento desta vida onde tudo parece conturbado Nascerá um novo dia mais radioso, iluminado Olho-te feito homem, nesse corpo de criança Quantos pensamentos, vontades e sobre eles a esperança Abraço-te, não quero deixar-te ir És meu, do meu corpo feito Não quero deixar-te partir Quero-te perto do meu peito Oiço o teu coração junto ao meu num constante fluir Partes para a vida que é tua De coração lavado e alma nua E eu fico queda e serena deixando-te ir Sentindo dentro de (...)