Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

As Feiras do Livro

07.09.22, Olga Cardoso Pinto

IMG_5493.jpg

As duas maiores Feiras do Livro do país ainda decorrem e já por aí se leem muitos posts sobre este acontecimento. Quem, tal como eu, teve a oportunidade de visitar as duas - a da capital no bonito Parque Eduardo VII e a do Porto nos magníficos jardins do Palácio de Cristal - repara sem esforço na enorme multidão de visitantes e compradores que pululam nos stands, nas animações e eventos que vão decorrendo, nas sessões de autógrafos, nos lançamentos e mesmo nos "comes e bebes" que amaciam os estômagos e os ânimos. Claro está que a Feira do Livro de Lisboa, maior em dimensão e em participantes é um portento - com a bela calçada portuguesa ladeada de cor, risos, conversas e letras - todas elas incrustadas num jardim fresco e relaxante onde nos podemos retirar para ler a nossa mais recente aquisição livresca.

A Feira do Livro do Porto é mais intimista, não só pelas belas paisagens que a circundam como também pelos espetáculos e pela grande quantidade de pequenas editoras e alfarrabistas, parecendo um postal de boas-vindas até para o mais breve visitante. Denota-se, com pena, a ausência de algumas editoras o que torna o cenário incompleto para uma feira que se quer abrangente. De ressalvar que a Feira este ano homenageia a grande poetisa Ana Luísa Amaral, falecida em agosto deste ano. Pela sua memória habita no jardim a 9ª tília que à escritora é dedicada.

Na FLL conheci pessoalmente o Luís Ferreira, o escritor-caminhante dos Caminhos de Santiago que tanto gostaria de percorrer, dele trouxe o autógrafo e um dos seus livros que anseio ler "Porque caminhas?". Estive à conversa com o Rui Couceiro sobre o seu mais recente livro "Baiôa sem data para morrer", obra em leitura da Comunidade de Leitores da Biblioteca Municipal da Maia. Tive o privilégio de conhecer e trazer para casa o seu autógrafo n'O Último Conjurado, um romance histórico que promete de Isabel Ricardo. Visitei a Andreia Salgueiro da Alfarroba com tantos livros lindos para ler e encantar, e trouxe um muito bonito sobre uma joaninha "Uma joaninha sem pintas" de Alda Palmeiro e Marta Sequeira.

Na FLP visitei bons stands com ótimas literaturas como é o caso da Dinalivro, gosto bastante dos seus livros sobre arte e também de literatura infantil, trouxe um livro de atividades para a Benedita "Cães e Cãezinhos". E para minha grande alegria encontrei na E-Primatur "A Loja de Antiguidades" de Charles Dickens, vou reler com muita satisfação esta obra-prima que tanto adorei quando criança, será a minha leitura de inverno. E como a Feira ainda não acabou, quem sabe o que virá...

É bom ver as Feiras cheias de gente que adquire livros, que lê, que os oferece; é bom ver crianças que se deleitam de livros coloridos nas pequenas mãos, ansiosas por conhecer as estórias e personagens partilhando com a família um pormenor ou uma graça. É bom ver a azáfama à volta dos livros, os sons e os cheiros de livros velhos e usados, e dos novos. É bom voltar a casa e folhear em descanso as próximas leituras, apreciar a torre (grande ou pequena) das próximas companhias de outono envoltas numa manta e servidas com chá.

 

Boas leituras.

 

12 comentários

Comentar post