Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Branco

Desafio Caixa de Lápis de Cor

14.04.21, Olga Cardoso Pinto

branco.jpg

Este desafio termina hoje com a cor branca. Recordo que foi criado pela amiga Fátima Bento, do blog Porque Eu Posso, e que tem feito correr tanta escrita! 

Como gosto de casas antigas, sobretudo aquelas que ficaram esquecidas pelo tempo, hoje escrevo sobre uma muito especial. 

 

 

Perdeste a tua altivez granítica, hoje és senhora decrépita lamentando os anos que por ti passam. As memórias do tempo guardá-las envolvidas na patine das décadas, cobertas pelo cintilar do pó, pelo bordado das teias, do negrume das traves, das madeiras corroídas, do soalho desgastado. Quantas vidas foram desfiadas nessas tuas paredes outrora caiadas, alvas de ser e luz? Quantas histórias contarias se alguém te escutasse? Envolvem-te com adoçado carinho e cor uma nogueira, duas laranjeiras, uma figueira e uma ameixieira. Que mãos as plantaram? Que segredos conta a terra que as viu crescer? Donde vem a água que torna este solo fértil, rico e espontâneo no medrar de todo o verde, pontilhado de amarelo, roxo e branco? As heras crescem ligeiras, ansiando adornar tão melodioso lugar. As rolas arrulham sempre perto de ti, acariciam-te as telhas desgastadas atirando aos céus sonetos de amor.

Dentro das tuas paredes mora o silêncio, a frescura dos dias que guardas para conservar a saudade de quando eras mimada, ruidosa, com música da rádio que agora jaze calado sobre a mesa da cozinha. Quantos odores ficaram suspensos dos cozinhados na lareira de boca larga, escancarada, para receber mais lenha e o pote de três pés.

O espelho, pendurado, ficou ali refletindo para o interior as janelas do varandim que se abrem para o esquecido jardim que, no entanto, continua a crescer rebelde insistindo em renovar-se em cada estação que vês passar. Miras-te nele em cada ano que corre indiferente à tua velhice, quem cuidará de ti? Eu ou um outro eu que me viu entrar? Só o reflexo branco, translúcido na tua parede caiada de branco, agora sujo…

 

Neste desafio participam #OGrupoDosLápisDeCor:

Fátima, A Concha,  A 3ª FaceA Marquesa de MarvilaMaria AraújoPeixe Frito, imsilvaLuísa de SousaMariaAna D., Célia, Charneca em FlorMiss Lollipop, Ana MestreAna de DeusCristina Aveiro, bii yueJoão-Afonso Machado e José da Xã.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.