Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Desafio: a receita mais original de doce de Natal

23.12.20, Olga Cardoso Pinto

doce do natal.jpg

 

Ontem lancei o desafio à Ana de Deus para a receita mais original de um doce de Natal. E como quem desafia tem de dar o exemplo, aqui está a minha receita em forma de estória. Espero que apreciem o doce e levem a receita.

Podem ver aqui o post de ontem com o desafio.

Boas doçarias!

Podem ver aqui a receita da Ana. Ai que rica receita até dá água na boca

 

Era uma vez na véspera de Natal…
Pela cozinha estava tudo desarrumado. Uma ligeira poalha espalhara-se pelo ar, depositando-se languidamente sobre as bancadas, armários e fogão. O lava-loiça abarrotava de utensílios sujos. Taças, talheres e panos. Pela mesa, espalhadas como uma orquestra desafinada, jaziam umas tombadas outras direitas, as mais variadas formas de bolos as quais esquecera a sua existência. Um caos! Um horror…e bem junto à banca, encarrapitado no banco - ei-lo! O autor, o conquistador da cozinha que dela se assenhorara e fizera dela o seu troféu! O pirralho que ainda há pouco se revirava dentro de mim, escouceando-me, qual potro, o meu ventre, levando-me à loucura com tanto peso e cansaço.
A taça, quase maior que ele, transbordava do que parecia ser massa, cobrindo-lhe como luvas as papudas mãozitas, a roupa, o cabelo e o rosto rosado. Ao sentir-me entrar, revirou aqueles enormes olhos, embelezados pelas longas pestanas e de sorriso de orelha a orelha, disse:
— Mamã estou a fazer um doce!
Aproximei-me ligeiramente repugnada por tanta bagunça e por aquele ser pegajoso que já se colava à bancada. No entanto, não lhe resisti - a ele, ao sorriso e àquele olhar que me fazia sentir a entidade mais preciosa do mundo.
— Ai estás!? E como sabias fazê-lo?
— Foi de ver-te fazer. Aprendi a fazer o bolo para ti! Vamos pô-lo no forno?
Assenti que sim, pensando que seria um desaire. Como poderia uma criança de cinco anos fazer um doce, um bolo só de ver e ajudar a mãe?
Por sua insistência ficámos ambos sentados no chão, em frente ao forno a ver o bolo crescer, sim a farinha já tinha fermento, por sorte! Foi um tempo que achei que seria monótono, mas depois senti que fora uma bênção, aqueles quarenta e cinco minutos ao lado do meu filho a ouvi-lo falar de culinária. A culinária vista por uma criança, os doces que gostava de ver fazer e que jurava que os faria ainda melhor! Tentei mentalizá-lo que o bolo talvez não ficasse como eu o fazia, porém, o rapaz achava que seria tão delicioso como o meu. Deixei-o pensar assim.
Estava toda a família sentada à mesa, impecavelmente decorada e com as melhores iguarias natalícias. Olhei de soslaio, a um canto discreto do aparador estava o bolo tosco e coberto de chocolate, simples sem grande brilhantismo para aquela mesa.
Depois da refeição colocaram-se os doces. As rabanadas luzidias e perfumadas de canela, o bolo rei colorido e tentador, o tronco de Natal e tantos outros, ricos visualmente e de sabor… e no meio da mesa o bolo de chocolate! A dominar a mesa de Natal impecavelmente decorada e aprimorada de irrepreensíveis doçarias.
Todos se entreolharam pela dominância do parente pobre e desajeitado.
Sentei-me, ligeiramente envergonhada. Pouco depois senti a manga ser repuxada e olhei. A meu lado estava o meu filho com um prato e a fatia do seu bolo.
— Toma mamã. Quero que sejas a primeira a provar o meu bolo!
Provei conformada, para não lhe fazer a desfeita e qual não foi a minha surpresa…o bolo até era bom!
— Sabe bem, mamã?
Todos estavam em suspenso aguardando a minha resposta. Engoli saboreando e respondi:
— Sabe sim, meu querido…
E ele tornou, sempre coladinho a mim, sentindo-lhe o calor e o cheiro do cabelo e do hálito infantil:
— Sabe a quê?
— Sabe a ti. Sabe a amor! — abracei-o intensamente, pois aquele era o melhor doce de Natal. Esta era sem dúvida a melhor receita original do doce de Natal!

 

 

2 comentários

  • Obrigada minha amiga Isa
    Que o teu Natal também o seja, na medida do possível.
    Um beijinho imenso
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.