Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Ei-lo que chegou!

08.12.20, Olga Cardoso Pinto

IMG_0221.JPG

Ei-lo novamente! Engalanando de geada que, tal como filigrana, vai adornando finamente cada pedaço da Natureza. Das árvores despidas de folhas, nascem adereços de cristal em forma de pêndulos de gelo. A neblina adensa-se deixando tudo envolto em mistério. Os sons são secos, abafados por este inevitável corolário.
Tudo é calma, serenidade. Ouve-se ao longe um piado longo, em grito, é uma coruja que desabrigada do seu esconderijo vem recebê-lo.
Escutam-se passos, arrastados, restolhando sobre a camada de folhas secas, ele está aí. Pesado no caminhar, mas leve na presença. Traz consigo, envolto pelo seu longo manto, as joias da humanidade: a Esperança, a Saudade e o Recolhimento. Pela mão enluvada conduz ternamente a Perseverança, que cresce em cada caminhada feita pelas cidades, pelas aldeias deste Mundo.
Quantos nascimentos acolhe em si, vidas novas outras longas! São vidas de seres fortes, resilientes os que nele vieram ao mundo, pois não poderiam ser de outra forma, de outro espírito os que escolheram nascer no último mês do ano, o mais frio e também especial.
Vem cansado, para e arqueia o largo peito num respirar fundo, deixa o cajado que o ajuda a caminhar encostado ao velho sobreiro e senta-se no que outrora fora uma altiva árvore. A Perseverança aproveita a pausa e corre a brincar, juntando folhas para lhes cair em cima, aos saltos, soltando risos de contentamento. As árvores enfeitam-se de aves que trinam em uníssono a canção do Inverno, despedindo-se do irmão Outono.
Ele consola-se ao vê-la brincar, tem ainda tanto para crescer! Com gestos calmos tira do interior do manto as três joias. Estas, sentindo o calor da sua mão já sem a luva que a cobrira, adensam-se de luz ganhando uma intensidade tal que ofusca o olhar. Ele sopra e elas dispersam-se na neblina.
O azevinho começa a crescer, como por magia, onde ele se sentou, entrelaça-se nas suas pernas e estende-se pelo tronco oco e sem vida, depois continua a medrar pela berma do caminho.
O dia está a chegar ao fim. Ele cobre-se com o manto e funde-se na árvore anciã, naquele tronco do que foi e que agora é novamente Vida.
Acendem-se as luzes no bosque, nas cidades, nas aldeias e no Mundo.
Dezembro chegou!

 

 

3 comentários

  • Querida Ana,
    Fico grata pela tua amizade e a bondade em me vires visitar por aqui.
    Fica bem
    Bjs
  • Imagem de perfil

    Ana de Deus

    09.12.20

    querida Olga e eu fico grata por partilhares a magia da tua escrita beijinhos
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.