Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Escrita ficcionada

A Cripta

25.01.21, Olga Cardoso Pinto

a cripta.jpg

Os muros de granito escondiam dos olhos, dos mais atentos transeuntes, o solar ensolarado que se insinuava numa paisagem rural. As heras que o cobriam cresciam desordenadas sem serem podadas há muito. As pedras centenárias ganhavam musgo viçoso envolvendo-as num tapete fofo e húmido, o cheiro era forte e acre... Jonas, em bicos de pés, espreitava agarrando-se ao muro escorregadio tentando equilibrar-se precariamente numa das pedras salientes do velho paredão.
“Sim senhor, aqui está uma casa senhorial que adorava comprar!” — pensava enquanto tentava abarcar num só olhar as cercanias.
O solar tinha um brasão imponente que encimava a porta principal, a larga escadaria conduzia o olhar para ele. Jonas franzia os olhos tentando descortinar as figuras que o compunham, era difícil perceber pois o tempo encarregara-se de o embelezar de líquenes e escurecer os pormenores. O jardim frontal perdia-se de vista, dava a sensação que contornava a casa. Estava em mau estado, não havia flores e as ervas tomaram conta dos canteiros e pérgulas. As árvores que outrora talvez emprestassem ao lugar perfumes, frutos e sombra, pareciam espectros. Um lago surgia tímido no meio do jardim e no centro dele uma estátua de mulher com três faces segurando um enorme livro. Jonas tentou dar a volta ao espaço, mas o terreno pertencente à mansão era abruptamente interrompido por campos baldios e pequenas hortas, o gradeamento enferrujado continuava para o interior tendo o campo como vizinho. A placa "vende-se esta propriedade" estava já um pouco decrépita e passava despercebida, demonstrando que há muito a mansão esperava por ser comprada.
Jonas marcava no telemóvel os números da placa, andando de um lado para o outro no passeio, ansioso que a sua chamada fosse rapidamente atendida. Após alguns segundos passou a mensagem e Jonas aborrecido desligou o telefone. “Bolas!” — praguejou em pensamento, voltou a tentar e o resultado foi o mesmo. Deixara o automóvel perto dali, mas algo o impedia de voltar, sentia-se atraído pelo lugar e revoltava-se por não conseguir que atendessem o seu telefonema. Relutantemente caminhou para o carro, olhando por cima do ombro para a casa e o velho muro que deixava para trás...

 

Excerto do romance "A Cripta" por Olga Cardoso Pinto

 

 

2 comentários

  • Obrigada minha amiga
    Uma excelente semana para ti
    Bjs
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.