Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Fotos do meu álbum

Querida Cidade Invicta!

18.01.22, Olga Cardoso Pinto

IMG_3895 (2).jpg

 

 

As ruas sempre agitadas pelo tráfego, num dia de inverno. Um final de dia ou um início de noite. A chuva que caiu transformou as estradas em espelhos onde as luzes artificiais se refletem. O vapor sai-nos das bocas coado pelas máscaras que impedem o contágio. Olho em volta e cada um destes seres envolve-se na escuridão procurando o refúgio de casa. Ao longe, ouve-se música e dou comigo a cantarolar a conhecida melodia. Elevo os olhos ao negro céu, as nuvens dissiparam-se. Vai longe a tempestade. Algumas estrelas se revelam e cintilam intermitentemente. Não há luar. Caminho pelo passeio e deixo-me levar ao sabor da iluminação das montras, dos candeeiros de luzes led. Aconchego o casaco, o frio é húmido. A cidade encanta sob o anoitecer que cai, gelado e insensível. Ao longe, corre o rio, esse manto líquido feroz. A vida noturna ganha cor e vozes junto à Ribeira, em tempos esquissada no meu bloco de papel. Os edifícios de granito parecem crescer com as sombras que os cobrem. Passo rente ao Palácio da Bolsa. Como gostaria de deambular pelo seu interior, ir até ao Salão Árabe. Desço e contorno em direção à Igreja de S. Francisco, a pérola gótica da cidade. Atravesso a rua empedrada, escorregadia, e detenho-me a contemplar o Douro, negro da noite, e o cais de Gaia, a irmã gaiata da margem esquerda. Alongo a vista e desfruto das pontes iluminadas, belíssimas, que levam e trazem gente. Muita gente atravessa o velho rio que é de ouro.
Ó Porto! Do enamoramento, da saudade, das vistas largas sobre o Douro em direção ao mar. Ó Porto! Cascata viva de casario, monumentos, aves e pessoas. Nasceste alcandorado no morro de Penaventosa e cresceste ávido em direção à Ribeira. Tornaste-te porto de nome Cale, orgulhoso e invencível. Ó Porto! Brindamos a ti e às tuas gentes, sempre que se eleva um cálice de Porto, doce e quente que suaviza a alma e alarga o coração!

 

Convido a visitar:

História da Cidade do Porto no site da Câmara Municipal do Porto

Como era o Porto antigamente no site do National Geographic

História do Vinho do Porto

As 15 pontes mais bonitas da Europa da European Best Destinations

WOW - World of Wine

Foto: vista da Ponte D. Luís, a partir do WOW.

 

Boa viagem!

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.