Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Poesia para a infância

29.03.21, Olga Cardoso Pinto
CORTAR Cortaram uma árvore E a terra chorou   Cortaram outra árvore E a terra chorou   E tantas árvores mais…   E a terra chorou Chorar tanto também cansa Quem pode enxugar as lágrimas Da terra cansada?   Nem as mãos de uma criança…   Matilde Rosa Araújo in As Fadas Verdes    

A Árvore Mãe

17.11.20, Olga Cardoso Pinto
Uma árvore frondosa, de tronco largo sulcado pelo tempo, ergue-se vaidosa na sua idade no meio de um bosque. Cresceu forte e imponente rumo à luz e adentrando-se no solo, apesar de ter sido açoitada ao longo da sua vida por tempestades, pela seca e devastações. É um ser resistente e temerário. Das suas raízes germinaram rebentos que se fizeram árvores tenras, formando este bosque que se desenrola à sua volta. Estas árvores filhas, que à volta da sua mãe se erguem também elas (...)

A beleza da Natureza na cidade

20.04.20, Olga Cardoso Pinto
«A natureza pinta para nós, dia após dia, quadros de infinita beleza se tivermos olhos para ver...» John Ruskin (Inglaterra 1819-1900) - escritor, crítico de arte, sociólogo, apaixonado pelo desenho e pela música. Foto: Igreja de Nª Srª do O em Águas Santas, Maia, com as suas Olaias (ou árvore de Judas ou árvore do Amor) em flor.  Igreja românica, fazia parte do antiquíssimo Mosteiro desaparecido, muito alterada pela justaposição de vários corpos novos nos séc. XIV, (...)

Lá fora, aguardam-me

13.04.20, Olga Cardoso Pinto
«Aguarda-me a floresta, com os seus segredos e caminhos invisíveis aos olhares incautos. Esperam-me as fadas e seres alados inspiradores, os animais sábios e as enormes e pristinas árvores. Anseio respirar o seu perfume, os seus odores intemporais, ser levada para esse mundo inalterável, ancião, onde me sinto regressar às origens, nesse banho de verde e tons quentes onde a melodia dos pássaros e o cantar das levadas me despertam para a cura, para a vida renovada como num banho (...)

Sob o Freixo eu me inspiro...

26.03.20, Olga Cardoso Pinto
“Conheço um freixo chamado Yggdrasil, uma árvore imensa no meio da bruma branca, dela escorre o orvalho que cai nos vales. Firme, mantém-se sempre verde acima da sagrada fonte de Urdh.” In “Võluspa” Poetic Edda   Imagem: ilustração para o conto Histórias de uma Árvore   

Outonando

12.11.19, Olga Cardoso Pinto
Buscando inspiração nas Lagoas de Bertiandos e S. Pedro d'Arcos, em Ponte de Lima. Caminhar em boa companhia e desfrutar da magnífica Natureza do nosso Minho, que gentilmente nos oferece todos os ingredientes para uma inspiração, seja uma pintura, um poema ou um conto. Se gostarem de caminhar e de sentirem-se imersos em plena Natureza, não deixem de visitar este magnífico local. Mais informações aqui.  

Exposição Colectiva "Se você não estivesse aqui"

17.02.19, Olga Cardoso Pinto
  Inaugurada sexta-feira, dia 15/02, a exposição foi o segundo evento organizado pela nova Direção da Cooperativa Árvore. Foram vários os artistas convidados a participar, e que nos permitiram desfrutar das suas criações de arte contemporânea, expressas sob a forma de fotografia, pintura e desenho. Parabéns aos artistas: Acácio de Carvalho, Ana del Rio, Ana Fernandes, Antónia (...)