Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Promessa

08.07.24, Olga Cardoso Pinto
    A Promessa   Uma promessa feita será cumprida, mesmo que o coração doa e as horas escasseiem. Mesmo que o tecido do tempo se rasgue e deixe voar a juventude. Uma promessa será sempre cumprida. Voltarás para mim em despedida, deixando vaguear o teu perfume em cada divisão. Ouvirei a tua voz, o teu riso, o teu toque, e pararei ansiando que os olhos enxerguem a tua ausência. Chamarás por mim em sonhos, acordarei com o teu murmurar contando-me estórias, desfiando fantasias (...)

Por este Douro

05.07.24, Olga Cardoso Pinto
    De ouro é o rio que nos corre nas veias, na pele e no coração. ADN da vida e casulo familiar. Descendo um pouco deste curso que banha a cidade cascata, de casario alcandorado e vidas em voo para o mar. Debruando a alegria e o calão, brotam enfeites de filigrana tecidas a ouro reluzente pelas mãos de ancestrais artesãos que do debuxo ao cadinho, do puxador à enchedeira, inflam de vida a arte nascida do ventre de Gondomar. Nessas águas profundas, frias, de cor compacta onde o (...)

O poder curativo das florestas

03.07.24, Olga Cardoso Pinto
  O poder curativo das Florestas A imersão numa floresta, seja ela grande ou pequena, permite-nos respirar fundo e aliviar a pressão. O simples facto de ali estarmos, no meio de gigantes, a contemplá-los e a envolver-nos nesse verde de cor e odores, liberta as tão famosas hormonas do bem estar e do prazer - a serotonina e a endorfina. Recentes estudos, e de acordo com Diana Beresford-Kroeger, cientista e autora do livro - To Speak for the Trees: My Life’s Journey from Ancient (...)

Entre realidades

28.06.24, Olga Cardoso Pinto
  O meu corpo caminha sobre as tenras flores da Primavera Pelo verde imenso da esperança Num caminho sem destino Apenas vagueia entre mundos O real e o sonhado. A minha alma flutua nesse prado Onde as montanhas abraçam os sentidos São fronteira entre a terra e o céu imenso Onde o infinito etéreo beija o mortal terreno Convidando a ficar deitada sobre o verde De olhos postos no azul cerúleo Deixando-me levar pela brisa Em viagem Nas asas das borboletas e no cantar das aves...    

Ser (ainda) Criança

04.06.24, Olga Cardoso Pinto
  Esta pequena estória, O Dinossauro Amarelo, já aqui foi partilhada, volto a ela pois é ainda atual pelo tema que aborda - a amizade e a cooperação entre amigos sem importar as diferenças. "Este primeiro conto infantil hoje partilhado, foi criado por mim há uns bons anos para entreter os meus filhotes, agora dedico-o a todas as crianças neste dia tão especial. Espero que gostem e partilhem. Deixem os vossos comentários, eu agradeço com o mesmo carinho com que partilho esta (...)

Particularidades

28.05.24, Olga Cardoso Pinto
6 Particularidades de uma rapariga citadina quando anda pelo campo: Caminhar por caminhos e veredas escondidos Fotografar tudo o que é verde Encantar-se com a beleza singela da ruralidade Parar ínúmeras vezes para contemplar Falar com a bicharada que vai encontrando Esquecer-se das horas   Já vos aconteceu?  

Desfiando desafios

22.05.24, Olga Cardoso Pinto
    Um livro, muitas estórias e uma capa. Este é o último livro do nosso querido amigo José da Xã a quem agradeço por, mais uma vez, ter confiado na minha criatividade para criar a roupagem envolvente dos seus contos maravilhosos. O título bem sugestivo - De(s)afiando Contos - traz-nos uma compilação de textos de excelente enredo, humor e humanidade em estórias rurais, quase tiradas a papel químico (...)

Fotos do meu álbum

20.05.24, Olga Cardoso Pinto
  Encontrei estas beldades no caminho. A beleza e a simplicidade a saudar-nos numa bela tarde de primavera. Prova que a natureza acolhe-nos e traz a felicidade e a gratidão por podermos desfrutá-la em todas as estações, mas na primavera é todo um hino à alegria em ramalhetes de flores e trinados melodiosos que nos enchem o coração. Quem precisa de arranjos florais, bem acomodados em celofane e longos laços quando, ali mesmo em pleno campo, a natureza nos oferece a visão da (...)

À Janela

13.05.24, Olga Cardoso Pinto
    Por trás daquela janela há algo que não se quer revelar, há segredos escondidos dos olhares. Bem no alto, a janela permite ver o exterior, mas o interior fica ocultado, nada transparece, apenas o ondular do tecido que permeia o vidro. De vez em quando, lá se abre para deixar entrar o ar e a luz sem ser coada pelo linho da cortina, ainda atento para ver se te miro...pobre de um jardineiro que da beleza cuida, porém, a mais bela flor recata-se e eu encantado estou. O jardim (...)