Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Caminhadas inspiradoras

Gerês: Trilho da Águia do Sarilhão

13.10.21, Olga Cardoso Pinto
O fim de semana foi por terras do Gerês, participando no 8º Festival de Caminhadas 2021 promovido pela Associação Viver Turismo do Gerês. Este trilho de 9km, foi uma descoberta fantástica de lugares recônditos e inesquecíveis para desanuviar corpo e mente, pela superação e convívio.   Grata pela oportunidade, pela companhia, pelas amizades criadas e um agradecimento especial aos guias, Pedro e Diana, pelo seu cuidado e carinho. Tal como a organização referiu foi mesmo "uma (...)

Caminhadas inspiradoras

Cavalum wild trails

07.10.21, Olga Cardoso Pinto
"Mantenha-se no trilho, mas prossiga explorando"   Foto: trilhos do Rio Cavalum, Penafiel Estes caminhos estão a ser reencontrados, graças ao carinho e empenho de jovens e amigos que se associaram para preservar e conservar os belos caminhos ao longo do rio Cavalum.   Para quem gosta de caminhar em plena Natureza conheça o grupo Cavalum aqui no Facebook.    

Doçura bravia

28.09.21, Olga Cardoso Pinto
  Encontrei-te no caminho, escondida entre o musgo, mórula carnuda de fruta doce. Tentei colher-te, entusiasmada, pela sofreguidão de te provar, Mas o espinho que te protege, de ponta pua, se não o fosse Impediu-me, picando-me a carne e a vontade de te tragar.      

Olá Outono

23.09.21, Olga Cardoso Pinto
Despedi-me do Verão com uma certa nostalgia. Findaram-se os longos dias, a temperatura quente e amena, a praia e o mar sereno. Entrei no Outono inspirando-me para coisas boas e fi-lo na melhor companhia e num belo lugar - o Gerês! Haverá melhor para receber a estação das cores quentes, da luz dourada do Sol, dos dias a minguar e o corpo a pedir o conforto da casa, de roupas quentes e refeições reconfortantes? E o Outono recebeu-me de braços abertos, entre a benção da chuva e os (...)

Ao pormenor

30.07.21, Olga Cardoso Pinto
Hortênsia Dentro dela há um pequeno segredo Que se quer à luz descobrir Abrem-se as pequeninas pétalas a medo Dando liberdade à vida surgir Tão bela nessa sua cor Deslumbra o caminho que por ali passa Enlevas-me nesse anseio de amor Tão cheio de alegria, virtude e graça.    

Flores do campo

A beleza da simplicidade

05.07.21, Olga Cardoso Pinto
A flor de urze é pequena, linda nos seus cachinhos que se perfilam para adornarem os campos, o seu nome científico é a Calluna Vulgaris. Esta bela planta também é conhecida por torga e foi nela que o nosso grande Miguel Torga, pseudónimo de Adolfo Correia Rocha, se inspirou para lhe tomar o nome. “… eu sou quem sou. Torga é uma planta transmontana, com as raízes muito agarradas e duras, metidas entre as rochas. Assim como eu sou duro e tenho raízes em rochas duras e (...)

Pelo caminho

29.06.21, Olga Cardoso Pinto
Pelo caminho o asfalto recorta a paisagem quase intocável. A cantoria dos pássaros deixa entrever um mundo onde o Homem só por ali vai de passagem, mas o som que nos enche os sentidos é o zumbir replicado por milhares de abelhas que ali se alimentam das belas flores campestres, nascem assim sem a mão humana dominadora. Neste desterro da civilização imperam os bichos, a Natureza, ela está por aqui neste cume de cheiros, perfumes, cores e sons. O ruminar e o resfolegar dos (...)

Um caminho

09.06.21, Olga Cardoso Pinto
Sentir Sinto-me presa, espartilhada Num longo destino que me leva ao nada   Sinto-me desmaterializar Na bruma dos dias de finais incertos Na corrida da vida ansiar Pelos sentimentos certos   Sou desequilibrada neste sentir Ansiando pelo que ainda é incerto vir   Cansada da luta Do frenético buliço Envolvo-me em mim Como num cortiço   Sem mantas nem tetos para me cobrir Apresento-me a este mundo e ao que há-de vir Pois pelo que sou não tenho pena nem dor Desenho a direito em (...)

Inspiração

04.06.21, Olga Cardoso Pinto
Um rio Conta um rio muito antigo que ao levar pressa no correr Nunca pôde voltar atrás corrigindo a caminhada Resilindo-se ao destino de no mar se desvanecer Salgando a pródiga vida da sua água adoçada   Foto: Rio Ave - Ecocaminho da Trofa