Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Histórias reais

15.03.22, Olga Cardoso Pinto
"Joaquim e Rosário tinham um filho que partira para a guerra. Numa mão levara a espingarda e na outra o cavaquinho e não voltara, ficara por lá, na Flandres como muitos da 4ª Infantaria, a valente Brigada do Minho. Certamente, morto num campo verde de esperança na vitória e manchado de sangue dos heróis, filhos de homens e mulheres que não sabem o que é a guerra, somente o que é a batalha da sobrevivência na labuta do amanhar a terra, do pastorear o gado, da expectativa da (...)

Amizades do Coração

Tema 8

21.02.22, Olga Cardoso Pinto
Era uma vez um coração pequenino, solitário, mirradinho pelo seu vazio. Às vezes inflava só de pensar na vontade de se encher com algo bonito, importante, digno de preencher o seu espaço mendinho que vivia dentro de si. Este coração era lindo, sonhador, voluntarioso. Havia dias que aumentava um pouco quando se dedicava aos outros, quando a tarefa exigia sair de si mesmo, abrir-se numa nesga e deixar entrar um pouco dessa felicidade que lhe era tão avessa. Mas, finda a novidade e (...)

Os Nossos Contos de Natal 2021

Os Três Caminhantes

22.12.21, Olga Cardoso Pinto
  Os Três Caminhantes   “O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.” Madre Teresa de Calcutá   Os passos ecoaram nas lajes de pedra escorregadias. A viela malcheirosa, escura parcamente iluminada pelos archotes, achava-se deserta sem o pregão dos mercadores, sem gritos ou correrias das crianças. O fumo das poucas lareiras, espiralava pelo ar pesado de frio e humidade. Tudo dormia, até o cão sarnento que por ali se arrastava em busca de um osso ou courato. (...)

A receita mais original de um doce de Natal

Os nossos Contos de Natal 2021

16.12.21, Olga Cardoso Pinto
Era uma vez na véspera de Natal… Pela cozinha estava tudo desarrumado. Uma ligeira poalha espalhara-se pelo ar, depositando-se languidamente sobre as bancadas, armários e fogão. O lava-loiça abarrotava de utensílios sujos. Taças, talheres e panos. Pela mesa, espalhadas como uma orquestra desafinada, jaziam umas tombadas outras direitas, as mais variadas formas as quais esquecera a sua existência. Um caos! Um horror…e bem junto à banca, encarrapitado no banco - ei-lo! O autor, (...)

Um cheirinho a Natal

Contos de Natal, o nosso livro

06.12.21, Olga Cardoso Pinto
  "O menino sentiu aquele corpo fofo e quente que se aninhava na concha das suas mãos emitindo um som agradável. Levantou uma das mãos e rebrilharam-lhe os olhos quando viu o pequeno pássaro, branco, alvo como a neve que cobria os caminhos em volta da casa. Maravilhado com o minúsculo ser que nas suas pequenas mãos se aconchegava, foi sentar-se à lareira com ela dormitando neste ninho feito de si. Assim ficou por momentos, enquanto a mãe ajudava a idosa a fazer a sua higiene. Qu (...)

Hoje é Natal! Nasceu um Livro!

Contos de Natal dos bloggers do Sapo

03.12.21, Olga Cardoso Pinto
É com um misto de sentimentos que hoje escrevo este post. Sinto muita emoção, orgulho e gratidão por fazer parte deste grupo de autores, que se aventurou nesta empreitada dos contos. Foi pela mão da Isabel que fui puxada para participar em 2020 no desafio dos Contos de Natal, nem imaginava eu no que isto ia dar! Depois o José da Xã (...)

Desafio Conto de Natal 2021

As bolachinhas

01.12.21, Olga Cardoso Pinto
Não, este conto de Natal não é um conto feliz, cheio de luzinhas e prendinhas. Este conto de Natal também não é sobre o Pai Natal, que ali deixou o trenó e foi algures. Este conto de Natal, retratado nesta fotografia tirada nos anos 80, é sobre a Mãe Natal. Sim sobre a companheira do Pai Natal, essa senhora que tão pouco se fala, de aparência redondinha, olhos risonhos e bochechas coradas, sempre de avental e de mãos nas ancas, mangas arregaçadas e cabelo branco preso num (...)

Feliz Citação

Contos de Fadas

24.11.21, Olga Cardoso Pinto
"Sempre que se conta um conto de fadas, a noite vem. Não importa o lugar, não importa a hora, não importa a estação do ano, o facto de uma história estar sendo contada faz com que um céu estrelado e uma lua branca entrem sorrateiros pelo beiral e fiquem pairando acima da cabeça dos ouvintes"   Clarissa Pinkola Estes - poetisa, diplomada em psicanálise junguiana.     

Aguarela

29.10.21, Olga Cardoso Pinto
Esta aguarela retrata a paisagem de um dia de Outono, apreciada numa viagem de metro, que transpus também para a escrita. Enquanto pintava, sempre na mente a canção de Toquinho que ouvi há muitos anos, sabia de cor a letra, hoje só algumas estrofes, mas mesmo assim continuo a adorá-la. Dedico-a à minha querida Benedita. Oiçam e vejam a animação, partilhem com os mais pequeninos e (...)

Outubro em Outono

01.10.21, Olga Cardoso Pinto
No caminho atapetado, iluminado pelos tons envelhecidos, restolharam as folhas. Setembro findara, não sem antes preparar a chegada do Outono que chegaria em força em Outubro. A brisa fria soprou de manso fazendo esvoaçar os longos cabelos fulvos, como um beijo de boas-vindas. Parou olhando em volta, a cada olhar seu cada árvore, arbusto e giesta ganhava o viço do amarelo, do ocre e do laranja, num cambiante de tons ricos e de cheiros refrescados pelo orvalho da matina. Pendentes, (...)