Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Uma verdadeira Obra de Arte

Artigo de opinião

19.04.24, Olga Cardoso Pinto
    A Arte de ser Artista, Mulher e Cinquentona em Portugal Muito difícil conseguir trabalhos, de atrair a atenção de quem usa a ilustração como comunicação e valorização de livros e outros suportes. Muito difícil competir com jovens artista arrojados que tão bem se promovem nas redes sociais. É uma área complicada onde abundam os freelancers, mal pagos, e pouco valorizados, agora juntem a idade...sim, para este mundo hiper-criativo e acelerado sou uma “cota”. Mas sou (...)

Escritas minhas

Romance e Ficção

17.04.24, Olga Cardoso Pinto
  "Todos diziam que estivera muitos dias desaparecida, fechada no compartimento do moinho, junto à nascente subterrânea, mas Eva não recordava nada disto. Jo falara um pouco, não insistiu no assunto para não a apoquentar. Ela recordava-se de alguns momentos. Os médicos, que a assistiram no hospital, diagnosticaram-lhe hipotermia que a levou a momentos de inconsciência, assim como a prolongada privação de alimentos. Eva sabia que comera. Lembrava o sabor do diáfano alimento que (...)

Dia Internacional do Livro Infantil

02.04.24, Olga Cardoso Pinto
Hoje celebra-se o Dia Internacional do Livro Infantil, a data escolhida por ser o dia de nascimento do escritor dinamarquês Hans Christian Andersen, em 1805. Como imagem escolhi o meu pequeno livro cheio de aventuras e desafios, escrito e ilustrado com muito carinho para todas as crianças que o possam apreciar. É uma aventura cheia de desafios, protagonizada por uma fada aprendiza e por um rapaz muito especial, unidos por uma ligação mágica entre dois mundos em perigo. O (...)

Passaritos

28.03.24, Olga Cardoso Pinto
    A minha mania de pintar passarinhos. Eis o pisco-de-peito-ruivo! Adoro-os por serem lindos, bons cantores, expressivos e fotogénicos...e porque em tempos arranjei um amiguinho, no parque da cidade, que me permitiu observar de perto os seus afazeres. Foto: Robin, o pisco - aguarela sobre papel.    

Expressividade

27.03.24, Olga Cardoso Pinto
    A expressão é fundamental na arte e na palavra para comunicar sentimentos e ideias. Ter liberdade para o fazer sem magoar o outro, apenas dando-lhe um caminho para aprender, para conhecer outros mundos, outros ideais e visões, para comunicar. Esta pintura expressiva, a óleo sobre tela pintada em 1994, ainda revela as cores do meu pensamento, do meu sentir e estar. Pode haver um deserto de imagem e de elementos, mas a luz e a cor sobre os elementos naturais capta-nos o olhar e o (...)

Quartas de Contos

Avelina IV

06.03.24, Olga Cardoso Pinto
AVELINA (Continuação)   🍃   Avelina foi crescendo em graça, simpatia e doçura. Era uma criança meiga e prestativa, desde tenra idade ajudava os pais adotivos, porém, sempre que podia escapulia-se para a floresta, para o seu meio natural e originário, onde passava horas junto da aveleira que engrandecia a cada ano que passava. Celeste e António adoravam a criança que lhes fora confiada, um milagre escondido dos vizinhos, somente dizendo que era uma parente que tinha ficado (...)

Quartas de Contos

Avelina III

28.02.24, Olga Cardoso Pinto
AVELINA (Continuação)   🍃   No tempo da aveleira ela deu os frutos, colhidos com tanto carinho pelas mãos calejadas que lhe ajeitaram a forma. As avelãs que gerou eram graúdas em tons de canela, vistosas, dando à árvore um orgulho vegetal, competindo com os castanheiros que exibiam os ouriços prenhes de gordas castanhas luzidias. Muitas avelãs foram deixadas, para os pássaros, para enriquecer o solo e para colheita tardia. Assim, enfeitada de frutos e rubras folhas, (...)

Quartas de Contos

Avelina II

21.02.24, Olga Cardoso Pinto
  AVELINA (continuação)   🍃   A tarde estava encrespada pelo frio cinzento. O vento bufava trazendo enregelada a chuva que principiara a cair, ainda miúda, daquelas nuvens escuras que pareciam odres enfunados. — Logo à noite vamos ter muita chuva. — Agasalha-te homem! Não queres ficar doente agora no princípio do frio, com esta morrinha. Quando saíram do aconchego da casa, o vento esbofeteou-os e a chuva num cair leve e diáfano concedia à paisagem um efeito de (...)

Quartas de Contos

Avelina I

14.02.24, Olga Cardoso Pinto
Às quartas-feiras irei por aqui publicar, na íntegra, contos meus. Alguns excertos já foram partilhados, porém, agora achei que gostaria de os partilhar com todos aqueles que gostam de me vir "visitar" ao blog. Espero que apreciem, conto com os vossos comentários e agradeço, com carinho, as vossas leituras. Bjs   AVELINA   Uma aldeia recôndita, enovela-se, aninhada entre a montanha e a imensa floresta. Um mistério que é também um milagre feito criança na vida de um idoso casal. (...)

Aguarelas

05.02.24, Olga Cardoso Pinto
Pintar a delicadeza das aves não é fácil, especialmente a aguarela. Existem tantas nuances, tantos pormenores, imensos contrastes e expressões que basta uma pincelada para estragar o trabalho de um dia...a verdade seja dita, tentamos imitar a perfeição da Natureza, mas nunca a conseguimos verdadeiramente.   Votos de uma excelente semana.