Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Ramifico-me

24.01.22, Olga Cardoso Pinto
Ramifico-me em mil tendões vegetais, em múltiplas veias de seiva fresca. Cada parte de mim espalha-se em perpétuos volteares, estendendo-se na procura de solo fértil. Uma gota de chuva é um oceano de vida, de proliferação, de energia. De mim já nada avisto, só os meus músculos, deles brotam finas folhas tenras. E avanço, avanço cada vez mais. Sem olhos, sem ouvidos ou boca, mas de sentimentos latentes na procura de ir, de continuar. Transponho os obstáculos, pedras, raízes, (...)

No Inverno...

19.01.22, Olga Cardoso Pinto
Pisco-de-peito-ruivo: o trovador viajante do Inverno. Adorável ave! Singela no tamanho, mas de imensa beleza no porte e no canto. Anuncia dias frios pelos jardins, campos e cidade, trauteando a melodia que alegra quem o escuta. É o mensageiro de boas-novas. Tenta encontrá-lo, ele anda perto de ti.    

Pormenores

Flores ilustradas

17.01.22, Olga Cardoso Pinto
Pormenor de ilustração - cravos túnicos - lindas cores e constrastes numa flor magnífica. É comestível e ótima para as abelhas e borboletas, além de afastar insetos indesejáveis. A sua simbologia está associada ao deus etrusco Tages (deus da sabedoria) - daí também o nome cravo tagete. Esta flor é sinónimo de ligação à terra, ao bom cultivo, à renovação e fertilidade.    

Sente

14.01.22, Olga Cardoso Pinto
  SENTE Tudo é ilusão, mentira, engano. Dizes tu convictamente. Mas o espelho repete a nota e responde: mente, mente, mente… Tudo é farsa, logro, quimera. Falas eloquentemente sem restrição. Os teus olhos desenganam e respondem: não, não, não… O invólucro que vestes como capa que te cobre o sentir, Leva-te a viver uma vida que mata o senso no mentir. Desprende as amarras, livra-te desse invólucro que te tolhe o coração. Vive o sonho, a realidade, dá azos à imaginação. Olh (...)

Amor maternal

06.01.22, Olga Cardoso Pinto
    "A recente mãe mirava o seu pequeno varão, não poderia acolhê-lo, pois seria a sua morte! O amor maternal impedia-a de ficar com a criança, um despaupério para quem não sentiu, entre gemidos e dores atrozes que parecem devorar as entranhas, o broto germinado dentro de si. Chorou longamente, enquanto amamentava a pobre criança em vésperas de ficar órfã de mãe viva. Beijou-o vezes sem conta. Despiu-o e vagarosamente ungiu-o com azeite para o proteger contra os maus (...)

Feliz Citação

O 1º post de 2022

01.01.22, Olga Cardoso Pinto
“Butterflies are like women – we may look pretty and delicated, but baby, we can fly through a hurricane.” “As borboletas são como as mulheres - podemos parecer bonitas e delicadas, mas querida, podemos voar no meio de um furacão.” Betty White - atriz, comediante, apresentadora e escritora norte-americana. 17.01.1922 * 31.12.2021   Para ver a ilustração completa, clique aqui. (...)

Poetizar a fotografia

28.12.21, Olga Cardoso Pinto
E a chuva Lava o tempo, lava a vida, lava a alma E a chuva Rega a rua, rega o mundo, com calma E a chuva Leva o peso, a tristeza, a dor E a chuva Em cada pinga, água fria, gotejo de amor E a chuva Lava a alma, com calma, a dor, gotejo de amor    

Os Nossos Contos de Natal 2021

Os Três Caminhantes

22.12.21, Olga Cardoso Pinto
  Os Três Caminhantes   “O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.” Madre Teresa de Calcutá   Os passos ecoaram nas lajes de pedra escorregadias. A viela malcheirosa, escura parcamente iluminada pelos archotes, achava-se deserta sem o pregão dos mercadores, sem gritos ou correrias das crianças. O fumo das poucas lareiras, espiralava pelo ar pesado de frio e humidade. Tudo dormia, até o cão sarnento que por ali se arrastava em busca de um osso ou courato. (...)

Livro Contos de Natal

Crónicas Fotográficas

21.12.21, Olga Cardoso Pinto
  O nosso livro Contos de Natal esteve em destaque este fim de semana. Como é muito fotogénico fica bem em qualquer lugar. Desde a intimista e gratificante sessão de autógrafos, na mais encantadora vila piscatória e turística de Portugal - a Ericeira; passando pelo magnífico Palácio Nacional de Mafra, de destacar a sua Biblioteca, até chegar finalmente a uma das (...)