Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Escrever é...

29.09.20, Olga Cardoso Pinto
Escrever é desprender-se do tempo, soltar amarras, criar estórias e tecer vidas É reinventar-se, ser controverso, imaginar mundos, ser ilusão É tocar outros, fazê-los sonhar, inspirar felicidade Escrever é realização, alegria imensa, uma paixão    

Bem-vindo Outono!

23.09.20, Olga Cardoso Pinto
Tu chegaste envolto em neblina e chuva miúda, bateste na vidraça e eu admirei-te. Desta janela vejo a sucessão das estações, como num giratempo que num ápice muda tudo. E tu vens engalanado de tons quentes que contrastam com as novidades que trazes. Em breve tudo ficará sereno, em repouso a aguardar... mas a tranquilidade também é boa, assim posso te desfrutar.  

O meu Mar

21.09.20, Olga Cardoso Pinto
Nunca o mar me pareceu tão meu... Nesse adeus breve, nessa viagem tão próxima De uma memória infantil, de recomeços e chegadas No embalar das ondas, do espraiar descontraído Do teu cantar... Do teu cheiro a Mar...   Foto:  Praia do Lacém Mar: Cabanas / Cacela Velha  

Ilustração de histórias reais

09.09.20, Olga Cardoso Pinto
A Felicidade não me cabe no coração. Ela transborda do meu ser, enleando-se em todos aqueles que contigo partilham o Amor. Vai em volteados como um cordão umbilical enroscar-se em ti, nesse teu pequenino corpo, nessa alma pura e nesse coraçãozinho tão jovem. Aguardo para que possa balançar contigo neste baloiço da vida...  

Conto: A Primavera num Arco-Íris

2ª parte

25.08.20, Olga Cardoso Pinto
Para hoje cá vai a 2º parte do conto, continuando a história que foi iniciada semana passada. Aqui está a 1ª parte para quem não leu Boa leitura Bjs   ***        À medida que os humanos se afastavam, aproximavam-se os animais, das cidades e das localidades desertas de gente, talvez curiosos pela ausência humana, em vontades para explorar todo aquele mundo (...)

Conto: A Primavera num Arco-íris

1ª parte

17.08.20, Olga Cardoso Pinto
Hoje inicio a partilha do conto A Primavera num Arco-Íris do qual já tinha publicado a sinopse. Esta história ficcionada, foi inspirada e escrita em pleno confinamento. Ainda hesitei na sua composição, porém a tentação de criar foi mais forte. Deixei vaguear a imaginação para além das paredes de casa, dos pensamentos e dos sentimentos que me assolavam. Tive muito onde me (...)

Escrita e ilustração

Conto «A Primavera num Arco-Íris»

12.08.20, Olga Cardoso Pinto
Sinopse *** O mundo como o conhecemos transformou-se, obrigado a parar e a fechar-se por um vírus desconhecido que foi deixando à sua passagem um elevado número de infetados e mortos. O medo do contágio levou cidades inteiras a ficarem desertas de gente, algo impensável nestes nossos tempos modernos. O ano de 2020 viu a primavera desabrochar por dentro das vidraças das janelas e das varandas. Em família ou em solidão cada um recolhia-se, colocando em pausa a vida do atribulado (...)

Após a tempestade

06.08.20, Olga Cardoso Pinto
Aquele pôr-do-sol após a tempestade Trouxe calma e deu asas à vontade De ser mais do que um respirar Um sentir sem naufragar Abrir e contemplar da janela a liberdade Ao ver o pôr-do-sol após a tempestade   Imagem: pintura a aguarela e marcadores sobre papel, Olga Cardoso Pinto -1988