Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Promessa

08.07.24, Olga Cardoso Pinto
    A Promessa   Uma promessa feita será cumprida, mesmo que o coração doa e as horas escasseiem. Mesmo que o tecido do tempo se rasgue e deixe voar a juventude. Uma promessa será sempre cumprida. Voltarás para mim em despedida, deixando vaguear o teu perfume em cada divisão. Ouvirei a tua voz, o teu riso, o teu toque, e pararei ansiando que os olhos enxerguem a tua ausência. Chamarás por mim em sonhos, acordarei com o teu murmurar contando-me estórias, desfiando fantasias (...)

Por este Douro

05.07.24, Olga Cardoso Pinto
    De ouro é o rio que nos corre nas veias, na pele e no coração. ADN da vida e casulo familiar. Descendo um pouco deste curso que banha a cidade cascata, de casario alcandorado e vidas em voo para o mar. Debruando a alegria e o calão, brotam enfeites de filigrana tecidas a ouro reluzente pelas mãos de ancestrais artesãos que do debuxo ao cadinho, do puxador à enchedeira, inflam de vida a arte nascida do ventre de Gondomar. Nessas águas profundas, frias, de cor compacta onde o (...)

Entre realidades

28.06.24, Olga Cardoso Pinto
  O meu corpo caminha sobre as tenras flores da Primavera Pelo verde imenso da esperança Num caminho sem destino Apenas vagueia entre mundos O real e o sonhado. A minha alma flutua nesse prado Onde as montanhas abraçam os sentidos São fronteira entre a terra e o céu imenso Onde o infinito etéreo beija o mortal terreno Convidando a ficar deitada sobre o verde De olhos postos no azul cerúleo Deixando-me levar pela brisa Em viagem Nas asas das borboletas e no cantar das aves...    

Ser (ainda) Criança

04.06.24, Olga Cardoso Pinto
  Esta pequena estória, O Dinossauro Amarelo, já aqui foi partilhada, volto a ela pois é ainda atual pelo tema que aborda - a amizade e a cooperação entre amigos sem importar as diferenças. "Este primeiro conto infantil hoje partilhado, foi criado por mim há uns bons anos para entreter os meus filhotes, agora dedico-o a todas as crianças neste dia tão especial. Espero que gostem e partilhem. Deixem os vossos comentários, eu agradeço com o mesmo carinho com que partilho esta (...)

À Janela

13.05.24, Olga Cardoso Pinto
    Por trás daquela janela há algo que não se quer revelar, há segredos escondidos dos olhares. Bem no alto, a janela permite ver o exterior, mas o interior fica ocultado, nada transparece, apenas o ondular do tecido que permeia o vidro. De vez em quando, lá se abre para deixar entrar o ar e a luz sem ser coada pelo linho da cortina, ainda atento para ver se te miro...pobre de um jardineiro que da beleza cuida, porém, a mais bela flor recata-se e eu encantado estou. O jardim (...)

Navegar

09.05.24, Olga Cardoso Pinto
    Construí um barco que me levaria num caminho líquido, Deslumbrante, estável e seguro Ninguém me disse que a viagem seria calma, Pois o mar nem sempre é assim Embarquei crente que a maré me levaria num embalo, Porém a tormenta sempre espreita Sopravam ventos favoráveis e o sol refletia um desejo Viajava feliz e incauta no espelho das águas  Ribombou no céu a tormenta levando-me para longe Fiquei perdida em alto-mar, sem rumo nem guia E surgiste tu salvando-me da vaga, da (...)

Ser Sol

26.04.24, Olga Cardoso Pinto
Um sol Pode ser tudo Pode ser algo que ilumine Irradiando energia na nossa vida Pode ser o sol no céu azul O sol da meia-noite A lua iluminando as trevas Pode ser alguém no teu caminho Uma flor do teu jardim... Podes ser tu, posso ser eu...    

19 anos felinos

09.04.24, Olga Cardoso Pinto
  🎂   A minha gatinha, a Cookie, completa hoje 19 anos! Um feito para um gato, desculpem, uma gata. É a nossa companheira desde os 5 meses, partilhando a sua vida com os "manos" que cresceram com ela. E, para festejar, hoje terá mimos a dobrar e este poema/estória que lhe é dedicado.    Cookie Rinhonha A Gata Cookie Rinhonha É uma doçura parecendo gente Sempre esbelta e nada panhonha Sem nunca ter usado pente À janela gosta de estar No seu ripanço felino Também gosta de (...)

Saborear o momento

29.01.24, Olga Cardoso Pinto
    O bom tempo atrai-nos. Leva-nos a sair, a explorar, a perdermo-nos por aí, para olharmos as flores que despontam numa urgência em aproveitar o sol e a temperatura amena. Desafia-nos a calcorrear caminhos, sejam eles desvendados ou conhecidos, num vislumbre de uma epifania. Somos como os gatos que aproveitam para se espreguiçarem languidamente ao sol de primavera, deixando-se ficar adormecidos em adoráveis poses. Somos como as abelhas que, sentindo o odor deliciosamente (...)

O Tempo

17.01.24, Olga Cardoso Pinto
    O Tempo vai fluindo pelos caminhos do mundo, sem nunca retroceder, tal como o rio que não passa duas vezes no mesmo lugar. Na infância tudo é lento, sem o Tempo a cronometrar. Os verões são imensos em brincadeiras de dias ensolarados, longos como o fio do Tempo. As noites são preenchidas por sonhos coloridos de fantasia. Depois, o Tempo ganha asas na adolescência, tudo parece desenrolar-se sem o nosso controlo. O Tempo é pouco para tantos afazeres, tantas paixões, tanta (...)