Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Ramifico-me

24.01.22, Olga Cardoso Pinto
Ramifico-me em mil tendões vegetais, em múltiplas veias de seiva fresca. Cada parte de mim espalha-se em perpétuos volteares, estendendo-se na procura de solo fértil. Uma gota de chuva é um oceano de vida, de proliferação, de energia. De mim já nada avisto, só os meus músculos, deles brotam finas folhas tenras. E avanço, avanço cada vez mais. Sem olhos, sem ouvidos ou boca, mas de sentimentos latentes na procura de ir, de continuar. Transponho os obstáculos, pedras, raízes, (...)

Versos para a Benedita

07.01.22, Olga Cardoso Pinto
  Passos pequeninos Pé ante pé, lá vais vacilando Caminhas decidida sem nunca parar Agora que o passo te desafiando Leva-te a querer tudo explorar Nesses teus pequeninos pés Desejosa de tudo transpor Reside o segredo de quem és Voluntariosa, meu doce anjo de amor!    

Um ano em livros

31.12.21, Olga Cardoso Pinto
Estes foram os 12 livros lidos este ano (acho que me esqueci de dois ou três). Alguns agradaram-me bastante como "Se com Pétalas ou Ossos" de João Reis e "Rua de Paris em Dia de Chuva" de Isabel Rio Novo, outros foram uma deceção - "Contágio" e "Arrepio". Mas o que me encheu as medidas...claro! O nosso livro de Contos de Natal! Muitas estórias e poesias lindas dos nossos bloggers. Nas prendinhas de Natal também vieram livros, já li um e iniciei a leitura do segundo, mais tarde (...)

Fotos do meu álbum

30.12.21, Olga Cardoso Pinto
Aqui há sonhos, há projetos, há vida. Há uma vista para o futuro, há sons da Natureza, perfumes singelos e gente genuína. O bulício do mundo fica lá fora, afastado, ausente; aqui há beleza, pureza e quietude.   A oliveira ancestral e as flores do dragoeiro emolduram a vista para a serra.   Foto: algures num recanto do Minho  

Poetizar a fotografia

28.12.21, Olga Cardoso Pinto
E a chuva Lava o tempo, lava a vida, lava a alma E a chuva Rega a rua, rega o mundo, com calma E a chuva Leva o peso, a tristeza, a dor E a chuva Em cada pinga, água fria, gotejo de amor E a chuva Lava a alma, com calma, a dor, gotejo de amor    

Feliz Natal!

Ser Natal de coração

24.12.21, Olga Cardoso Pinto
O Natal deveria ser um estado de alma constante, não ser só palavras e trocas de presentes, iluminações e refeições. Há muitos que não são Natal, há muitos que não têm Natal. Desejo um Feliz Natal (em especial com livros) a todos os meus familiares, a todos os amigos e amigas, amigos (as) bloggers, a quem me visita e lê.   Um beijinho especial para aqueles que são Natal de coração.  

Celebrando

11.12.21, Olga Cardoso Pinto
  És o meu Arco Iris, o meu final de tempestade A minha luz da madrugada após a escuridão A minha fonte de água adoçada A minha alegria, a minha emoção És o desejo feito carne, doce mel de invólucro duro, temperamental És traço afinado, projeto vivo, pintura fresca, feito mural És canto timbrado no silêncio, a voz melodiosa de um recital És o sonho feito vida, a felicidade de uma prenda de Natal Meu Filho Arco Iris, sempre meus dias a colorir Estendes-te por mim como (...)

Celebrando

08.12.21, Olga Cardoso Pinto
Caminhantes Percorri a vereda naquela manhã soalheira Sem medo, cogitações ou canseira Vi-te ao longe, animado e de presença jovial Saudei-te caro amigo, companheiro na caminhada matinal Contigo aprecio a viagem, as cores, sons e odores que nos envolvem Bebemos revigorados do caminho dos regatos que por ali correm Colhemos de mãos dadas os frutos doces que em meu regaço amadureci Partilhamos segredos, atravessamos pontes, perdi o fôlego, rejuvenesci No aconchego quente do teu abraço (...)

Fotos do meu álbum

Paleta de Outono

26.11.21, Olga Cardoso Pinto
O Outono veste toda a Natureza de uma belíssima paleta de cores, texturas e memórias. O nosso País tem locais belos onde nos podemos "perder", inspirar e reencontrar.   Fotos: Pitões das Júnias, Parque Nacional Peneda-Gerês, região de Barroso.  

Plantar Árvores, Plantar o Futuro

22.11.21, Olga Cardoso Pinto
Ontem, dia 21/11, comemorou-se antecipadamente o Dia da Floresta Autóctone que será dia 23/11, terça-feira. Como não poderia deixar passar este dia especial sem uma ação pela nossa Natureza, eu e o Jorge juntámo-nos à Associação Plantar Uma Árvore para uma Saída de Campo na Mata Nacional do Bussaco, no Pinhal do Marquês. À força de braços e amor pelas árvores, fomos dezasseis (...)