Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Fotos do meu álbum

Querida Cidade Invicta!

18.01.22, Olga Cardoso Pinto
    As ruas sempre agitadas pelo tráfego, num dia de inverno. Um final de dia ou um início de noite. A chuva que caiu transformou as estradas em espelhos onde as luzes artificiais se refletem. O vapor sai-nos das bocas coado pelas máscaras que impedem o contágio. Olho em volta e cada um destes seres envolve-se na escuridão procurando o refúgio de casa. Ao longe, ouve-se música e dou comigo a cantarolar a conhecida melodia. Elevo os olhos ao negro céu, as nuvens dissiparam-se. (...)

Lugares Mágicos

02.11.21, Olga Cardoso Pinto
Há lugares mágicos, intemporais, onde o tempo poisou e esqueceu-se de prosseguir. Este lugar é um berço, aqui sinto que parte de mim nasceu, num vagido ancestral em língua celta em tempos que são de todos nós.   ORAÇÃO CELTA Que a estrada se abra à tua frente. Que o Sol brilhe morno e suave em tua face. Que a chuva caia de mansinho em teus campos. Que um suave acalanto te acompanhe, onde estiveres. Que as perdas do teu caminho sejam sempre encaradas como lições de vida. Que a (...)

Caminhadas inspiradoras

Cavalum wild trails

07.10.21, Olga Cardoso Pinto
"Mantenha-se no trilho, mas prossiga explorando"   Foto: trilhos do Rio Cavalum, Penafiel Estes caminhos estão a ser reencontrados, graças ao carinho e empenho de jovens e amigos que se associaram para preservar e conservar os belos caminhos ao longo do rio Cavalum.   Para quem gosta de caminhar em plena Natureza conheça o grupo Cavalum aqui no Facebook.    

Escrita ficcionada

Recuando no tempo

26.07.21, Olga Cardoso Pinto
Escrevo um romance, passado na Idade Média, há pelo menos dois anos. Ando a mortificar-me por ainda não o ter finalizado, pois merece muita dedicação e pesquisa para que nada falhe nas vidas fictícias inspiradas noutras que foram bem reais. Já partilhei aqui no blog um excerto sobre o nascimento de uma das personagens, hoje partilho mais um pouco, espero que apreciem a leitura. (...)

A Árvore de Camilo

23.02.21, Olga Cardoso Pinto
A breve caminhada levou-me até ao louro-cerejo - a árvore de Camilo - a árvore centenária que vive num solene remanso rural junto à antiga residência paroquial, onde Camilo Castelo Branco passava os longos dias de verão pelas terras da Maia. Junto a ela um banco que convida a desfrutar da companhia e da vista e quiçá, também, de uma boa leitura: uma magnífica obra de Camilo. "Na freguesia de Barca, junto da casa que foi antiga residência paroquial, está uma árvore que, de (...)

A fonte que não o é

02.07.20, Olga Cardoso Pinto
A Fonte de Águas Santas que deu o nome à freguesia, na cidade da Maia. Esta fonte milenar encontra-se esquecida nas traseiras do casario que brotou, ao longo dos tempos, em frente à Igreja de Nossa Senhora do Ó. A sua origem perdeu-se na névoa dos séculos, permanecendo, no entanto, a igreja de influências românicas e a lenda que a tornou conhecida. Porém, a atual fonte já nada tem da anterior nascente que foi uma referência na localidade, tanto para os habitantes como para os (...)