Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Escrita inspirada

08.02.21, Olga Cardoso Pinto
"A curandeira aproximou-se do rio que corria lânguido pela pouca água que transportava, devido ao inverno seco e um verão que ameaçava ser abrasador. Ajoelhou-se na margem e baixou o rosto para o lavar, sentiu-se atraída pela água fresca, pela melodia que levava no correr, a luz dando-lhe aquele brilho espelhado que fugia em cada pedra ou erva que se cruzava no seu caminho. Mergulhou a face quente, abriu os olhos e sentiu-se ser levada para longe, o espírito esvair-se para um mundo (...)

Lembrança

29.01.21, Olga Cardoso Pinto
Num cantinho do meu cérebro há uma lembrança perdida fintando-me a memória de tanto estar escondida malandra que por aí te escondes não me deixando recordar aqueles momentos distantes em que fui casa, terra e mar    

Eu amanheço

19.01.21, Olga Cardoso Pinto
Eu amanheço Para mais uma vida Quantas vividas sem ti Eu amanheço Para estar contigo Fiando as horas que te espero Eu amanheço Para contigo entrançar a estória Do nosso tempo neste lugar Eu amanheço Sou o começo da teia que te prende a este sonhar   Foto: 19.01.2021 - 07:48  

Mistérios contados

13.01.21, Olga Cardoso Pinto
"Quando a noite ia alta, todos dormiam, só os grilos aprimoravam os acordes. Passos suaves, seguidos de algo deslizante, entraram no quarto de Glória. Ela moveu-se na cama mudando de posição. Um pó quase invisível pairava no ar. Sobre o seu corpo relaxado, um vulto debruçou-se tocando-lhe no rosto, a menina mexeu-se sem, contudo, acordar. Seguidamente, o vulto saiu e entrou no quarto de Tobias. O menino estava deitado de barriga para cima, com um dos braços sobre a testa, a sua (...)

Há manhãs

05.01.21, Olga Cardoso Pinto
Há manhãs de sol, de luz, de cor Há manhãs de saudade, de ausência, de dor Há manhãs de chuva, de neblina, de vento Há manhãs de cansaço, de desilusão, de tormento Manhãs frias, geladas, lembranças queridas nubladas Manhãs ricas de ti, de alguém, de todos, de nenhum, de ninguém Manhãs quentes, abafadas, pesadas e dormentes Manhãs ternas, acordadas de sonhos recorrentes Há manhãs de noites insones, letárgicas, sem sentir Há manhãs de dias desconhecedoras de como se (...)