Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Inspirações

30.09.22, Olga Cardoso Pinto
Eleva-se o espírito na procura de bem-estar. A serenidade dos dias encontra-se em breves momentos, na escuta de uma melodia, na leitura de um livro, na escrita de um soneto, no desenhar em filigrana pura os contornos do teu rosto. Evoco em mim momentos passados e transporto-me para outra realidade, talvez outras vidas em mundos paralelos que giram em tempos e contagens diferentes. Sou eu, mas flutuo em direção à luz, vêm a mim centelhas luminescentes que em meu peito se dissolvem. (...)

Um dia quando só formos vento...

17.09.22, Olga Cardoso Pinto
Um dia quando só formos vento, viajarmos à velocidade da luz e em partículas cintilarmos, voltaremos a encontrar-nos num lugar sem espaço e sem tempo, sem corpo nem dor; somente nós na essência dos sentimentos e do espírito imortal. Seremos o perfume e a cor das flores, o sol da manhã e a luz lunada de uma noite, seremos as vagas que se desfazem na praia, a neve que em cristais cai no mundo, a chuva límpida em graça do céu à terra. Seremos tudo e nada. Seremos sempre nós, o (...)

Dia Mundial da Terra

22.04.22, Olga Cardoso Pinto
Hoje é o Dia Mundial da Terra, o nosso Lar. Como celebrar se há quem sofra por ter nascido num país invadido, despojado da sua dignidade, vida e esperança? A nossa Casa está em risco, não só pelos atentados que fazemos há anos ao nosso clima, às diferentes espécies que aqui coabitam connosco, ao equilíbrio de todo o ecossistema ao qual pertencemos, mas também pelas atrocidades que se cometem contra outros homens, mulheres e crianças só por terem nascido num país, numa (...)

Pai para sempre

19.03.22, Olga Cardoso Pinto
  Um Homem chamado Pai, Antes de ser chamado pelo seu nome pela criança que, embora não seja do seu ventre, é do seu coração, uma parte do seu ser, do seu sangue, carne e espírito, o seu legado para o futuro, a vida intensa do presente. Um Homem chamado Pai, de nome José, Jorge, Miguel e muitos nomes que enchem de amor, alegrias e saudades de filhos e filhas.  Um Homem chamado Pai, Papá, Daddy, Père... em tantas línguas por todo o Mundo e até no Céu. Coldplay: Daddy  

O ponto de inflexão

11.03.22, Olga Cardoso Pinto
Há momentos da nossa vida em que somos forçados ou incentivados a mudar, por nossa vontade ou por vontade alheia. Existe sempre um ponto, neste percurso do nosso caminho, em que a alteração de comportamento, atitudes e ideias exigem que mudemos sob pena do percurso ser o errado. Em matemática este ponto chama-se Ponto de Inflexão. Assim como a matemática, a vida também tem o seu ponto de inflexão, o ponto da mudança, da melhoria, do retrocesso, do salto para a evolução ou o (...)

Fotos do meu álbum

Melodia para uma fotografia

28.01.22, Olga Cardoso Pinto
O Mar em todo o seu esplendor, revolto, agreste e renovador. Todo ele é um "ser" vivo onde existe som, odor, gosto, melodia, cor e tantas sensações indescritíveis...   Para ouvir e desfrutar: HAEVN - The Sea (Symphonic Tales)     The Sea Haevn Sunrays touch the coastline On the cutter shows the dust Long nights are gone with the river The water has been waiting long enough We float on the river of time Hold steady, hold steady The sea comes, calls the summer Forced out the cold D (...)

Ramifico-me

24.01.22, Olga Cardoso Pinto
Ramifico-me em mil tendões vegetais, em múltiplas veias de seiva fresca. Cada parte de mim espalha-se em perpétuos volteares, estendendo-se na procura de solo fértil. Uma gota de chuva é um oceano de vida, de proliferação, de energia. De mim já nada avisto, só os meus músculos, deles brotam finas folhas tenras. E avanço, avanço cada vez mais. Sem olhos, sem ouvidos ou boca, mas de sentimentos latentes na procura de ir, de continuar. Transponho os obstáculos, pedras, raízes, (...)

Sente

14.01.22, Olga Cardoso Pinto
  SENTE Tudo é ilusão, mentira, engano. Dizes tu convictamente. Mas o espelho repete a nota e responde: mente, mente, mente… Tudo é farsa, logro, quimera. Falas eloquentemente sem restrição. Os teus olhos desenganam e respondem: não, não, não… O invólucro que vestes como capa que te cobre o sentir, Leva-te a viver uma vida que mata o senso no mentir. Desprende as amarras, livra-te desse invólucro que te tolhe o coração. Vive o sonho, a realidade, dá azos à imaginação. Olh (...)

Os Nossos Contos de Natal 2021

Os Três Caminhantes

22.12.21, Olga Cardoso Pinto
  Os Três Caminhantes   “O importante não é o que se dá, mas o amor com que se dá.” Madre Teresa de Calcutá   Os passos ecoaram nas lajes de pedra escorregadias. A viela malcheirosa, escura parcamente iluminada pelos archotes, achava-se deserta sem o pregão dos mercadores, sem gritos ou correrias das crianças. O fumo das poucas lareiras, espiralava pelo ar pesado de frio e humidade. Tudo dormia, até o cão sarnento que por ali se arrastava em busca de um osso ou courato. (...)

Aguarela

29.10.21, Olga Cardoso Pinto
Esta aguarela retrata a paisagem de um dia de Outono, apreciada numa viagem de metro, que transpus também para a escrita. Enquanto pintava, sempre na mente a canção de Toquinho que ouvi há muitos anos, sabia de cor a letra, hoje só algumas estrofes, mas mesmo assim continuo a adorá-la. Dedico-a à minha querida Benedita. Oiçam e vejam a animação, partilhem com os mais pequeninos e (...)