Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Novos Horizontes

20.02.24, Olga Cardoso Pinto
    A meus pés encontram-se novos caminhos, muitas distâncias, ainda, para calcorrear a teu lado. Muitos horizontes se podem abrir se aceitarmos esta preciosa dádiva, esta paz de espírito, esta inspiração. Ao teu lado necessito de ver a calmaria dos dias, a colheita em nossas mãos de horas a construir um retiro, onde aceitaremos a bondade do cosmos, do tempo e da vida. Novos horizontes se revelam, desde a esperança e o sonho para a liberdade, basta abrirmos as asas ao vento e (...)

O Tempo

17.01.24, Olga Cardoso Pinto
    O Tempo vai fluindo pelos caminhos do mundo, sem nunca retroceder, tal como o rio que não passa duas vezes no mesmo lugar. Na infância tudo é lento, sem o Tempo a cronometrar. Os verões são imensos em brincadeiras de dias ensolarados, longos como o fio do Tempo. As noites são preenchidas por sonhos coloridos de fantasia. Depois, o Tempo ganha asas na adolescência, tudo parece desenrolar-se sem o nosso controlo. O Tempo é pouco para tantos afazeres, tantas paixões, tanta (...)

Inspiração

09.01.24, Olga Cardoso Pinto
  No correr do rio agreste, o rei sol lava-se da neblina que o tenta nublar. Insinua-se no firmamento no desfiar de mais um dia. Reflete-se até findar no manto de água marinha. Recolhe-se, finalmente conformado, para dar a luz à noite, senhora penumbrosa de brilho enfeitiçante. Lua mestra dos segredos, sedutora dos sonhos, sussurradora de silêncios. Sol e Lua, amantes eternos que só se tocam no raiar do dia e desvanecer da noite.     Foto: Praia da Malheira - rio Homem, (...)

Segredos

20.11.23, Olga Cardoso Pinto
  "Glória ia sendo lentamente seduzida pela vida singela deste mundo rural. Durante o dia, aos poucos, ia esquecendo as lembranças que à noite teimava em guardar e a revisitar vezes sem conta, com o intuito de não as olvidar, arreliava-se até por esquecer um ou outro pormenor da antiga casa, da antiga rua e da escola. Contudo, nunca saíra das redondezas sozinha. Naquela manhã saiu decidida, depois de avisar o pai que ia num pequeno passeio. Não o confessava, mas o irmão era o (...)

Inspirações

14.11.23, Olga Cardoso Pinto
    "Ela colheu a pequena flor, de cor imperial, pondo-a nos cabelos, e bailou pelo caminho até à clareira iluminada pelo sol envergonhado por tanta beleza. Quando rodopiava, os seus olhos esmeralda encontravam os meus, e beijavámo-nos neste jeito inocente, como osculando as nossas almas... Os cabelos lustrosos, balouçavam no ar, parecendo um manto de folhas outonais. Eu amando-a ao vê-la assim alegre e bela como o açafrão bravo que colhera e enfeitava agora a orelha direita, (...)

Para aquele que anda perdido

24.07.23, Olga Cardoso Pinto
  Para aquele que anda perdido venham as palavras que o consolem, o abraço quente sentido que os nós apertados dissolvem. Para aquele que se agrilhoou às penas da vida e da dor nasçam flores ao que semeou que brotem luminosas de amor Sejam abraços as palavras proferidas Consolos de paz e serenidade Para quem sofre de tantas feridas Sejamos luz e prosperidade.     Para ouvir: HAEVN - Kite in a Hurricane  

E porque hoje é Dia de S. Valentim

14.02.23, Olga Cardoso Pinto
  A Planta dos Corações Quase de mãos dadas, o apaixonado par semeou a planta pequena, franzina, carente de constante afeto. Ela foi crescendo naquele amor extremo, onde não faltava o líquido essencial e a energia da luz. Todos os anos dela germinavam pequeninos botões, vermelhinhos, reluzentes, e ao longo do ano cresciam, envoltos naqueles cuidados mimados e carinhosos. Invariavelmente, no dia catorze de fevereiro as flores abriam as pétalas resplandecentes, como duas asas e com (...)