Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Branco

Desafio Caixa de Lápis de Cor

14.04.21, Olga Cardoso Pinto
Este desafio termina hoje com a cor branca. Recordo que foi criado pela amiga Fátima Bento, do blog Porque Eu Posso, e que tem feito correr tanta escrita!  Como gosto de casas antigas, sobretudo aquelas que ficaram esquecidas pelo tempo, hoje escrevo sobre uma muito especial.      Perdeste a tua altivez granítica, hoje és senhora decrépita lamentando os anos que por ti passam. As memórias do tempo (...)

Encontrando a inspiração

Minhotando

09.04.21, Olga Cardoso Pinto
  Estava a precisar disto! De respirar o perfume, de espraiar o olhar pelas serras,  de escutar sem esforço o cantar das aves e o correr das ribeiras, de encontrar essa inspiração que só no Minho profundo habita em cada recanto verde, em cada caminho rural, em cada encruzilhada.  

Desafio Cartas do Correio

06.04.21, Olga Cardoso Pinto
Hoje respondo ao desafio Cartas do Correio proposto pela Célia do blog Raios de Sol. Obrigada Célia por te lembrares de mim e me desafiares. Um beijinho grande. Esta minha carta não vai pelo correio, tão pouco para o e-mail, vai algures para o céu, tenho a certeza.     Meu querido Pai, Hoje escrevo-te num dia lindo de sol. Nesta Primavera que nasceu quente, cheiinha de (...)

Poesia para a infância

29.03.21, Olga Cardoso Pinto
CORTAR Cortaram uma árvore E a terra chorou   Cortaram outra árvore E a terra chorou   E tantas árvores mais…   E a terra chorou Chorar tanto também cansa Quem pode enxugar as lágrimas Da terra cansada?   Nem as mãos de uma criança…   Matilde Rosa Araújo in As Fadas Verdes    

Despojos de uma vida

26.03.21, Olga Cardoso Pinto
Ali ficou como um esqueleto, sem vida, sem cor, sem amor Esquecida da luz que a aquecia por dias, por tempos, por momentos A frieza do silêncio e da pedra, abandonada, enfraquecida, esboroada Envolta em mistério da identidade de quem fora, em desbotada existência Abraçada somente pela verdura, pelo caminho que a instiga a resistir A lutar contra os elementos, destemida senhora de pedra, poder em latência Que saúdas o tempo, temerária guerreira, insistindo em subsistir   Música (...)

Inspiração

23.03.21, Olga Cardoso Pinto
MAR De todos os cantos do Mundo Amo com um amor mais forte e mais profundo Aquela praia extasiada e nua Onde me uni ao mar, ao vento e à lua. Cheiro a terra as árvores e o vento Que a Primavera enche de perfumes Mas neles só quero e só procuro A selvagem exaltação das ondas Subindo para os astros como um grito puro.   Sophia de Mello Breyner Andresen    

A Natureza como vitamina

11.03.21, Olga Cardoso Pinto
«Já sinto o odor da floresta, o perfume da Natureza. O trinar das aves ondula pelos meus ouvidos. A brisa fresca revolve as tenras folhas dos carvalhos e prende-se à madeixa dos meus cabelos, zombando da minha admiração pelo cenário que me cativa. O cantarolar da água desvia-me os sentidos, como é fresco e convidativo. Reparo no efeito da luz e das sombras, criam efeitos fantásticos, surreais, tentam a imaginação. Os raios de sol incidem numa clareira, onde brilha um imenso (...)