Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Inspirações

30.09.22, Olga Cardoso Pinto
Eleva-se o espírito na procura de bem-estar. A serenidade dos dias encontra-se em breves momentos, na escuta de uma melodia, na leitura de um livro, na escrita de um soneto, no desenhar em filigrana pura os contornos do teu rosto. Evoco em mim momentos passados e transporto-me para outra realidade, talvez outras vidas em mundos paralelos que giram em tempos e contagens diferentes. Sou eu, mas flutuo em direção à luz, vêm a mim centelhas luminescentes que em meu peito se dissolvem. (...)

Um dia quando só formos vento...

17.09.22, Olga Cardoso Pinto
Um dia quando só formos vento, viajarmos à velocidade da luz e em partículas cintilarmos, voltaremos a encontrar-nos num lugar sem espaço e sem tempo, sem corpo nem dor; somente nós na essência dos sentimentos e do espírito imortal. Seremos o perfume e a cor das flores, o sol da manhã e a luz lunada de uma noite, seremos as vagas que se desfazem na praia, a neve que em cristais cai no mundo, a chuva límpida em graça do céu à terra. Seremos tudo e nada. Seremos sempre nós, o (...)

Somos todos lendas

03.09.22, Olga Cardoso Pinto
Conta uma lenda perdida nos milénios do tempo que havia uma mulher que se endeusou pela virtude de existir entre o mundo terreno e o mundo celestial, pois desejou muito gerar um filho só pelo amor de se dedicar ao seu cuidar. Essa mulher  tornou-se a ligação entre estes dois mundos  e continuou a existir, mesmo após a sua morte, pois transformou-se em árvore perpertuando-se assim a unir o que é terreno - pelas raízes - ao que é do céu - a copa - o entremeio  é dos humanos e (...)

Um imenso coração

01.09.22, Olga Cardoso Pinto
  "Os dias urdiam as horas onde as memórias ancoravam, desejando ganhar viço e raízes no pequeno coração infantil. A menina pequenina, feita de saudades e odor, vivia com o pensamento numa história que a avó lhe contava quando iam lavar a roupa ao rio. — Era uma vez um rio, forte, corredor, frio como o gelo, que bordejava uma aldeia pequena, encarrapitada num monte feito de granito antigo e de fraguedo imponente. Nesta aldeia viviam poucas famílias, com muitos filhos pequenos e (...)

Um dia...

20.07.22, Olga Cardoso Pinto
"A mais feliz de todas as coisas é quando um velho amigo vem e saúda-nos como antigamente; o coração fica confortado com a certeza de que um dia tudo o que amámos ser-nos-á devolvido." Johanna Spyri, autora de Heidi (1881)   Foto: um belo final de tarde na Falésia, Algarve  

Fotos do meu álbum

07.07.22, Olga Cardoso Pinto
Um rio contou-me um segredo sobre a vida, o mundo, sobre o amor infinito. Confidenciou-me palavras de espanto e graça. Banhei-me nele, confiante que não esqueceria o meu caminho. Encontrei-te por lá, num sorriso contagiante, numa vontade de construir. Da vida fizemos jangada e partimos rio fora ao sabor do vento e das aves...   Foto: Rio Cávado, Quinta Lago dos Cisnes - Amares Para ouvir em jeito de dedicatória The Cranberries "You & Me"    

Fotos do meu álbum

29.06.22, Olga Cardoso Pinto
Uma fotografia é uma memória suspensa no tempo, num lugar que fez parte de um momento. Esta encerra boas memórias, embora não tendo conseguir captar a essência especial que aqui ainda perdura, traz-me à lembrança a tarde que variou de chuvosa a soalheira, o odor da terra quente beijada pela chuva, da vegetação tisnada pelo sol algarvio, a tepidez do mar e a sensação de paz e liberdade.    Praia da Cacela Velha setembro de 2021