Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Nossa Língua

05.05.22, Olga Cardoso Pinto
Hoje é o Dia Internacional da Língua Portuguesa. A nossa Língua será das mais ricas do mundo, contendo tantas influências e heranças ao longo dos séculos que nos tornaram um povo tão cosmopolita. Temos tantas palavras de todas as línguas que se tornaram nesta nossa forma bela, rica e trabalhada de comunicar. Não há como a Língua Portuguesa para vociferar, insultar ou gracejar através de locuções atiradas aos tropeções pela boca, que não se deixam embrulhar em meias (...)

Dia Mundial da Terra

22.04.22, Olga Cardoso Pinto
Hoje é o Dia Mundial da Terra, o nosso Lar. Como celebrar se há quem sofra por ter nascido num país invadido, despojado da sua dignidade, vida e esperança? A nossa Casa está em risco, não só pelos atentados que fazemos há anos ao nosso clima, às diferentes espécies que aqui coabitam connosco, ao equilíbrio de todo o ecossistema ao qual pertencemos, mas também pelas atrocidades que se cometem contra outros homens, mulheres e crianças só por terem nascido num país, numa (...)

O que separa também une

18.03.22, Olga Cardoso Pinto
Uma ponte Uma ponte atravessa o caminho. Liga dois lados, dois caminhos, vários trajetos. Uma ponte permite-nos transpor para o outro lado sem perder de vista de onde viemos. Uma ponte permite atravessar um rio, um fosso, um hiato de espaço e tempo. Uma ponte pode ser física, imaginária, sentimental. Uma ponte pode ser gente, um coração e uma vontade.     Tears for Fears: Rivers of Mercy    

O ponto de inflexão

11.03.22, Olga Cardoso Pinto
Há momentos da nossa vida em que somos forçados ou incentivados a mudar, por nossa vontade ou por vontade alheia. Existe sempre um ponto, neste percurso do nosso caminho, em que a alteração de comportamento, atitudes e ideias exigem que mudemos sob pena do percurso ser o errado. Em matemática este ponto chama-se Ponto de Inflexão. Assim como a matemática, a vida também tem o seu ponto de inflexão, o ponto da mudança, da melhoria, do retrocesso, do salto para a evolução ou o (...)

Filosofias...de vida

09.03.22, Olga Cardoso Pinto
"- Se tivesses de escolher entre o riso da criança e o cantar da ave, qual deles escolherias? - Ambos são uma consequência... - Pois são. Mas qual escolherias? - Os dois... - Porquê? - Escolheria ambos, porque são o futuro um do outro."   Imagem: iStock.com/Kangah  

Ilustrando sentimentos

24.02.22, Olga Cardoso Pinto
Nunca a Humanidade teve tanto para prosperar, para banir a fome, as doenças e as guerras, como neste século XXI e, no entanto, a ambição de poder e domínio continua igual como em tempos tão longínquos em que a Humanidade desconhecia a luz do conhecimento e da evolução.    

O fluir das estações

31.01.22, Olga Cardoso Pinto
Na alternância das estações vejo o fluir da vida. Sendo que não são iguais, cada uma tem um sentido diferente, com características únicas. Não há estações mais belas que outras, cada uma tem uma beleza particular, uma personalidade própria. O Verão é cheio de energia, cor, entusiasmo, despontam vontades de evasão e liberdade. O Outono é introspeção, de suspensão e pausa, de cores quentes e vontade de refúgio. O Inverno é aconchego, de contemplação, de pausa já a (...)

Fotos do meu álbum

Querida Cidade Invicta!

18.01.22, Olga Cardoso Pinto
    As ruas sempre agitadas pelo tráfego, num dia de inverno. Um final de dia ou um início de noite. A chuva que caiu transformou as estradas em espelhos onde as luzes artificiais se refletem. O vapor sai-nos das bocas coado pelas máscaras que impedem o contágio. Olho em volta e cada um destes seres envolve-se na escuridão procurando o refúgio de casa. Ao longe, ouve-se música e dou comigo a cantarolar a conhecida melodia. Elevo os olhos ao negro céu, as nuvens dissiparam-se. (...)

Um ano em livros

31.12.21, Olga Cardoso Pinto
Estes foram os 12 livros lidos este ano (acho que me esqueci de dois ou três). Alguns agradaram-me bastante como "Se com Pétalas ou Ossos" de João Reis e "Rua de Paris em Dia de Chuva" de Isabel Rio Novo, outros foram uma deceção - "Contágio" e "Arrepio". Mas o que me encheu as medidas...claro! O nosso livro de Contos de Natal! Muitas estórias e poesias lindas dos nossos bloggers. Nas prendinhas de Natal também vieram livros, já li um e iniciei a leitura do segundo, mais tarde (...)

Fotos do meu álbum

30.12.21, Olga Cardoso Pinto
Aqui há sonhos, há projetos, há vida. Há uma vista para o futuro, há sons da Natureza, perfumes singelos e gente genuína. O bulício do mundo fica lá fora, afastado, ausente; aqui há beleza, pureza e quietude.   A oliveira ancestral e as flores do dragoeiro emolduram a vista para a serra.   Foto: algures num recanto do Minho