Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Eu amanheço

19.01.21, Olga Cardoso Pinto
Eu amanheço Para mais uma vida Quantas vividas sem ti Eu amanheço Para estar contigo Fiando as horas que te espero Eu amanheço Para contigo entrançar a estória Do nosso tempo neste lugar Eu amanheço Sou o começo da teia que te prende a este sonhar   Foto: 19.01.2021 - 07:48  

Versos para um diário

08.01.21, Olga Cardoso Pinto
O Diário Numa letra redondinha escrevo histórias e versos de amor encho-te do meu ser, de confidências, de desejos e de cor lavro as páginas em branco como se fossem solos bem reais desfio nelas o correr dos sonhos em conversas triviais afiguras-te como amigo, confidente sem oratória guardas meus segredos nessa fina e numerada memória quantos dias, quantas horas, passo eu a escrevinhar registando o que de mim fica para mais tarde recordar.   Foto: manualidades para uma capa de (...)

Há manhãs

05.01.21, Olga Cardoso Pinto
Há manhãs de sol, de luz, de cor Há manhãs de saudade, de ausência, de dor Há manhãs de chuva, de neblina, de vento Há manhãs de cansaço, de desilusão, de tormento Manhãs frias, geladas, lembranças queridas nubladas Manhãs ricas de ti, de alguém, de todos, de nenhum, de ninguém Manhãs quentes, abafadas, pesadas e dormentes Manhãs ternas, acordadas de sonhos recorrentes Há manhãs de noites insones, letárgicas, sem sentir Há manhãs de dias desconhecedoras de como se (...)

Luminescência

09.11.20, Olga Cardoso Pinto
  Deixa-me aproveitar este pedaço de céu, torná-lo meu por mais um dia Aproveitar a despedida do sol que se vai deitar para este lado do mundo Deixa-me ficar aqui e apreciar as aves que se recolhem neste entardecer Aproveitar a finitude da tarde, dos sons e das vontades, do crepúsculo Deixa-me quedar neste restolhar da luz que se infiltra na minha alma Aproveitar o que ainda resta da cor, da intensidade desse adeus luminoso Deixa-me entardecer, ser luminescente, deixa-me o arrebol (...)

Reflexões

06.11.20, Olga Cardoso Pinto
Num espelho, refletido vejo o tempo que passa com pressa dessa corrida por vezes dispersa a vida que teima em vingar a saudade de um lamento contar histórias bonitas para aprender a ser alguém sempre a crescer para a luz que revela o caminho com um destino às vezes sozinho, o que importa é viver sem pressa a viagem de quem vai e que nem sempre regressa   Foto: trilhos do Sistelo - Arcos de Valdevez  

Ser Criança

07.10.20, Olga Cardoso Pinto
Ser Criança ou Canto a tempos felizes Não há coisa mais bonita do que uma feliz lembrança De recordar momentos belos, de estar contente, de ser criança Num afago efusivo, da brincadeira sem fim, de uma ilusão inocente Recordar com ternura quando fomos pequena gente Dessa inocência feliz, por vezes mesmo do choro sentido Pois desnubla-se em breve o céu, após parecer tudo perdido Ah, que saudades tenho eu destes tempos de ingenuidade De voltar a ser pequenina, de ser pura (...)

Escrever é...

29.09.20, Olga Cardoso Pinto
Escrever é desprender-se do tempo, soltar amarras, criar estórias e tecer vidas É reinventar-se, ser controverso, imaginar mundos, ser ilusão É tocar outros, fazê-los sonhar, inspirar felicidade Escrever é realização, alegria imensa, uma paixão    

Dia Mundial do Sonho

25.09.20, Olga Cardoso Pinto
Entre o sono e o sonho, Entre mim e o que em mim É o quem eu me suponho, Corre um rio sem fim. Passou por outras margens, Diversas mais além, Naquelas várias viagens Que todo o rio tem. Chegou onde hoje habito A casa que hoje sou. Passa, se eu me medito; Se desperto, passou. E quem me sinto e morre No que me liga a mim Dorme onde o rio corre — Esse rio sem fim.   Fernando Pessoa, obra édita -1933  

O meu Mar

21.09.20, Olga Cardoso Pinto
Nunca o mar me pareceu tão meu... Nesse adeus breve, nessa viagem tão próxima De uma memória infantil, de recomeços e chegadas No embalar das ondas, do espraiar descontraído Do teu cantar... Do teu cheiro a Mar...   Foto:  Praia do Lacém Mar: Cabanas / Cacela Velha