Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Fotos do meu álbum

28.03.22, Olga Cardoso Pinto
  O que escondem os caminhos sem gente nem civilização? Escondem histórias, revelam fugas...como levanta voo a imaginação! O que escondem as longas veredas ocultas entre a folhagem? Escondem mistérios, revelam sonhos, talvez, quem sabe, muitas miragens...    

Dia Mundial da Poesia

21.03.22, Olga Cardoso Pinto
Daqui eu parto para muitos mundos, sem saber se voltarei Guarda para a minha chegada uma saudade Dá-lhe viço, alimenta-a, trá-la bem juntinho ao coração Se eu voltar, com ela semearei a vida contigo   Foto: Casuarinas, vista para o rio Cávado, Esposende.  

Projetos com carinho

Fadas e Fadinhas

17.03.22, Olga Cardoso Pinto
AS FADAS As fadas… eu creio nelas! Umas são moças e belas, Outras, velhas de pasmar… Umas vivem nos rochedos, Outras, pelos arvoredos, Outras, à beira do mar… Algumas em fonte fria Escondem-se, enquanto é dia, Saem só ao escurecer… Outras, debaixo da terra, Nas grutas verdes da serra, É que se vão esconder… O vestir… são tais riquezas, Que rainhas, nem princesas Nenhuma assim se vestiu! Porque as riquezas das fadas São sabidas, celebradas Por toda a gente que as viu… Quan (...)

Ilustrando sentimentos

01.02.22, Olga Cardoso Pinto
  Maternitatis in Flore  In utero meo aliquis floret Is erit flos in horto vitae meae Seminatur in amore et cura Cura ut te et te floreat, esto arbor mundi mei Dulcis fructus labiorum meorum factus es et incensum cordis mei     Maternidade em Flor No meu ventre floresce alguém Que será a flor do jardim da minha vida Semeada com amor e desvelo Para te cuidar e ver-te florir, seres a árvore do meu mundo Tornares-te fruto doce dos meus lábios e perfume do meu ser     Ilustração (...)

Sente

14.01.22, Olga Cardoso Pinto
  SENTE Tudo é ilusão, mentira, engano. Dizes tu convictamente. Mas o espelho repete a nota e responde: mente, mente, mente… Tudo é farsa, logro, quimera. Falas eloquentemente sem restrição. Os teus olhos desenganam e respondem: não, não, não… O invólucro que vestes como capa que te cobre o sentir, Leva-te a viver uma vida que mata o senso no mentir. Desprende as amarras, livra-te desse invólucro que te tolhe o coração. Vive o sonho, a realidade, dá azos à imaginação. Olh (...)

Versos para a Benedita

07.01.22, Olga Cardoso Pinto
  Passos pequeninos Pé ante pé, lá vais vacilando Caminhas decidida sem nunca parar Agora que o passo te desafiando Leva-te a querer tudo explorar Nesses teus pequeninos pés Desejosa de tudo transpor Reside o segredo de quem és Voluntariosa, meu doce anjo de amor!    

Poetizar a fotografia

28.12.21, Olga Cardoso Pinto
E a chuva Lava o tempo, lava a vida, lava a alma E a chuva Rega a rua, rega o mundo, com calma E a chuva Leva o peso, a tristeza, a dor E a chuva Em cada pinga, água fria, gotejo de amor E a chuva Lava a alma, com calma, a dor, gotejo de amor    

Celebrando

11.12.21, Olga Cardoso Pinto
  És o meu Arco Iris, o meu final de tempestade A minha luz da madrugada após a escuridão A minha fonte de água adoçada A minha alegria, a minha emoção És o desejo feito carne, doce mel de invólucro duro, temperamental És traço afinado, projeto vivo, pintura fresca, feito mural És canto timbrado no silêncio, a voz melodiosa de um recital És o sonho feito vida, a felicidade de uma prenda de Natal Meu Filho Arco Iris, sempre meus dias a colorir Estendes-te por mim como (...)

Celebrando

08.12.21, Olga Cardoso Pinto
Caminhantes Percorri a vereda naquela manhã soalheira Sem medo, cogitações ou canseira Vi-te ao longe, animado e de presença jovial Saudei-te caro amigo, companheiro na caminhada matinal Contigo aprecio a viagem, as cores, sons e odores que nos envolvem Bebemos revigorados do caminho dos regatos que por ali correm Colhemos de mãos dadas os frutos doces que em meu regaço amadureci Partilhamos segredos, atravessamos pontes, perdi o fôlego, rejuvenesci No aconchego quente do teu abraço (...)