Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Cor da Escrita

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Páginas onde a ilustração e o desenho mancham de cor as letras nascidas em prosa ou em verso!

Transforma-te em oiro

16.05.22, Olga Cardoso Pinto
Como as boas memórias podem transformar-se em pontes e levar-nos para lugares lindos, tempos bons, dias de criança, longos e de oiro. Dias ensolarados ou chuvosos, pouco importa, pois as memórias trazem vibrações positivas e ajudam a lembrar-nos quem fomos e no que nos transformamos diariamente. Com vontade e carinho, puxa pelo fino fio da lembrança e trá-lo para o agora, verás como te reconstróis num desafio em jeito de puzzle. Quem foste e quem és unem-se pela memória, pela (...)

Pai para sempre

19.03.22, Olga Cardoso Pinto
  Um Homem chamado Pai, Antes de ser chamado pelo seu nome pela criança que, embora não seja do seu ventre, é do seu coração, uma parte do seu ser, do seu sangue, carne e espírito, o seu legado para o futuro, a vida intensa do presente. Um Homem chamado Pai, de nome José, Jorge, Miguel e muitos nomes que enchem de amor, alegrias e saudades de filhos e filhas.  Um Homem chamado Pai, Papá, Daddy, Père... em tantas línguas por todo o Mundo e até no Céu. Coldplay: Daddy  

O que separa também une

18.03.22, Olga Cardoso Pinto
Uma ponte Uma ponte atravessa o caminho. Liga dois lados, dois caminhos, vários trajetos. Uma ponte permite-nos transpor para o outro lado sem perder de vista de onde viemos. Uma ponte permite atravessar um rio, um fosso, um hiato de espaço e tempo. Uma ponte pode ser física, imaginária, sentimental. Uma ponte pode ser gente, um coração e uma vontade.     Tears for Fears: Rivers of Mercy    

Filosofias...de vida

09.03.22, Olga Cardoso Pinto
"- Se tivesses de escolher entre o riso da criança e o cantar da ave, qual deles escolherias? - Ambos são uma consequência... - Pois são. Mas qual escolherias? - Os dois... - Porquê? - Escolheria ambos, porque são o futuro um do outro."   Imagem: iStock.com/Kangah  

Escrita ficcionada

09.02.22, Olga Cardoso Pinto
    "O dia raiava soalheiro. O nascer do sol acordava o jardim e os primeiros pássaros a despertarem chilreavam o seu regresso, ainda eram poucos, mas a passarada estava de volta. O laranja do astro rei espraiava-se no azul do céu de outubro. A janela da cozinha de Eva refletia os primeiros raios de sol deste novo dia, mas por detrás dela não se vislumbrava o vulto da mulher, que adorava ouvir às primeiras horas da manhã o chilrear dos pássaros, enquanto tomava a sua chávena de (...)

Poetizar a fotografia

28.12.21, Olga Cardoso Pinto
E a chuva Lava o tempo, lava a vida, lava a alma E a chuva Rega a rua, rega o mundo, com calma E a chuva Leva o peso, a tristeza, a dor E a chuva Em cada pinga, água fria, gotejo de amor E a chuva Lava a alma, com calma, a dor, gotejo de amor    

Pais de Anjos

Dia para a Sensibilização da Perda Gestacional e Morte Neonatal

15.10.21, Olga Cardoso Pinto
    Como descrever um sentimento que é um misto de perda, de dor por alguém que nunca chegou a nascer? Foste um Ser, um Filho, agora Anjo. Um Filho gerado em amor, sem ter nome, colo ou funeral? Apenas um adeus, um vazio, uma saudade, uma memória que guardo em ecografias amarelecidas e testes de gravidez com data. Dou graças pelos filhos, os teus irmãos, agora homens e, no entanto, a tristeza de não estares aqui fisicamente, só na recordação do bater compassado do teu (...)

Tempestades

14.06.21, Olga Cardoso Pinto
Dizem que a violência das tempestades é a Natureza a manifestar o seu mau-humor, eu acho que são a forma de Ela demonstrar a sua força, a sua energia, para que tudo volte ao lugar. Pensamento poético é certo, sem as justificações científicas das quais pouco entendo, mas que no entanto me levam a admirar tamanha beleza tão parcamente refletida nesta fotografia - faltam outras sensações que me trouxeram à memória tempos de infância. O odor a terra molhada, o soprar forte do (...)